Visitando os Castelos do Vale do Loire

Conforme explicado no post sobre a França, o Vale do Loire é uma das regiões francesas que já visitamos em mais de uma oportunidade. Essa região compreende aproximadamente 250 quilômetros, englobando cidades como Orléans, Blois, Amboise, Tours, Chinon, Saumur e Angers, pequenas vinícolas e centenas de castelos, a maioria da época renascentista, período de apogeu da região, quando a capital francesa era Tours, no centro do vale. O francês é o idioma oficial, embora não seja difícil se comunicar em inglês após uma breve introdução com poucos termos básicos em francês.

Qual a melhor época para visitar o Vale do Loire?
É uma região com inverno bem frio (média entre 1ºC e 7ºC) e verão ameno (média entre 12ºC e 27ºC) e menos chuvoso. Portanto, recomendamos o período entre maio e setembro, sobretudo entre junho e agosto, quando os jardins estarão mais floridos e os dias mais claros. Estive com meus pais em duas ocasiões distintas (metade do vale em cada visita) em janeiro de 2008 e de 2010!

Quanto tempo ficar e como chegar ao Vale do Loire?
Como dissemos, existem inúmeros castelos, cidades e vinícolas no trajeto. Portanto, tudo dependerá de quanto tempo possui disponível, seus objetivos e se está disposto a alugar um carro. Nossa sugestão é justamente essa: começar em uma das pontas (Orléans ou Angers), vindo de trem de Paris (entre 1h20 e 1h50 de viagem) e seguindo a viagem até a outra ponta de carro, parando nos castelos, vinícolas e cidades que despertarem seu interesse.

Outra alternativa são os passeios disponibilizados por agências de turismo regionais ou de Paris, que oferecem desde um bate e volta a partir da capital francesa até uma viagem mais prolongada. A desvantagem é o maior custo e menor flexibilidade para ajustar às suas necessidades.

Com relação ao tempo, para visitar os castelos mais famosos, recomendamos pelo menos dois dias inteiros e idealmente três dias para desfrutar dessas opções com calma. No entanto, se desejar conhecer e aproveitar também as cidades, considere acrescentar quase um dia por cidade.

Quais são os castelos imperdíveis do Vale do Loire?
Essa não é uma resposta simples, mas o Chenonceau, o Chambord, o Ussé e o Villandry são as joias preciosas. Além desses, os castelos das cidades de Amboise, Angers e Chinon se destacam.

Vale do Loire - FrancaResumo dos principais castelos e localizações (cartão-postal que compramos)

Qual o horário e período de visitação dos castelos do Vale do Loire?
É extremamente variável, portanto clique nos links para os sites oficiais conforme descrevermos cada um dos castelos no roteiro abaixo.

Onde se hospedar no Vale do Loire?
É impossível descrever todas as alternativas de hospedagem para a região, mas vamos sugerir algumas opções nas principais cidades ao longo da rota:

O Roteiro
Como explicamos, nossa visita ocorreu em duas ocasiões distintas, sendo que a segunda englobou outras regiões da França. Portanto, faremos uma sugestão de roteiro começando em Orléans e terminando em Angers para dar linearidade e lógica à viagem.

Nossa primeira dica é seguir sempre pelas estradas menores e secundárias. Além de não terem pedágio, as paisagens são deslumbrantes e fazem parte do passeio. Comece pela D951 a partir de Orléans até o Château de Chambord. Com uma arquitetura renascentista do século XVI, foi construído durante o reinado do rei Francisco I com a principal finalidade de ser uma casa para caça. Hoje, quase 500 anos mais tarde, continua encantando pelos belos traços externos e a imensidão interna, motivos que lhe renderam lugar na lista de Patrimônio da Humanidade da UNESCO em 1981.

Chambord - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chambord

Chambord - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chambord

Chambord - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chambord – Pátio interno e Jardins

Chambord - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chambord – Riqueza dos detalhes da torre

A próxima parada está a apenas 35 minutos pela D952. Se desejar, na metade do caminho, está Blois, uma pequena cidade de 50 mil habitantes, cujo castelo de estilo gótico já foi residência de inúmeros reis franceses. No entanto, não é parada obrigatória, diferente do Château de Chaumont-sur-Loire. Com construção inicialmente como fortaleza no século X, foi reconstruído no século XV já com traços renascentistas.

Chaumont - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chaumont-sur-Loire

Menos de 20 minutos adiante está a minúscula cidade de Amboise, com aproximadamente 12 mil habitantes e um belíssimo castelo, o Château d’Amboise. Infelizmente não conseguimos uma boa foto do conjunto pela claridade, mas a imensa fortaleza do século XI sofreu diversas modificações ao longo dos quase mil anos de existência adquirindo traços góticos e renascentistas, e serviu como residência da monarquia francesa.

Château d’Amboise

Amboise - Vale do Loire - FrancaPraça em frente ao castelo de Amboise

Dependendo do seu horário, recomendamos um pernoite na cidade para seguir cedo para o próximo castelo, o Château de Chenonceau, a apenas 20 minutos pelas D81 de Amboise. Também do século XVI, possui uma arquitetura diferente dos demais pela construção sobre o rio, é uma das visitas imperdíveis do Vale do Loire.

Chenonceau - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chenonceau

Chenonceau - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chenonceau

Chenonceau - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chenonceau – Jardins

Cerca de 50 minutos distante, pela D140/D7, contornando a cidade de Tours, está situado o Château de Villandry, concluído em 1536 e cuja principal atração é o belíssimo jardim. Com uma precisão inacreditável, a distribuição das plantas, árvores e caminhos formam verdadeiros mosaicos coloridos.

Villandry - Vale do Loire - FrancaChâteau de Villandry – Castelo e Jardins

Villandry - Vale do Loire - FrancaChâteau de Villandry – Jardins

Villandry - Vale do Loire - FrancaChâteau de Villandry – Jardins

Villandry - Vale do Loire - FrancaChâteau de Villandry – Jardins

A menos de 15 minutos, não deixe de visitar o Château de Azay-le-Rideau, um palácio renascentista do início do século XVI erguido sobre uma pequena ilha. A propriedade é belíssima e já pertenceu a diversas famílias ao longo dos quase 500 anos de existência.

Azay-le-Rideau - Vale do Loire - FrancaChâteau de Azay-le-Rideau

Azay-le-Rideau - Vale do Loire - FrancaChâteau de Azay-le-Rideau

Azay-le-Rideau - Vale do Loire - FrancaChâteau de Azay-le-Rideau – entorno

De volta a D7 por mais alguns minutos e você encontrará o Château d’Ussé, originalmente erguido no século XVII como fortaleza, mas sofrendo modificações até adquirir os traços atuais. Infelizmente estava fechado quando estivemos na região, mas pelas fotos e pelos relatos é uma das visitas imperdíveis caso tenha oportunidade. Segundo alguns historiadores, teria sido a inspiração para o castelo da “Bela Adormecida”, enquanto outros acreditam que o modelo partiu de um palácio do interior da Alemanha.

Termine o dia em Chinon, uma pequena e charmosa cidade com menos de 10 mil habitantes na beira do Loire. Aproveite para uma breve caminhada antes de um delicioso jantar em um autêntico restaurante francês.

Chinon - Vale do Loire - FrancaChinon

Chinon - Vale do Loire - FrancaChinon

No dia seguinte, acorde cedo para visitar o Château de Chinon, uma imensa construção do século XV . Os detalhes em pedras e as diversas torres no alto da colina não deixam dúvidas do principal objetivo que era servir de fortaleza para defesa da região.

Chinon - Vale do Loire - FrancaEntrada do Château de Chinon

Chinon - Vale do Loire - FrancaChâteau de Chinon

Antes de seguir para Saumur e Angers, pare no menos conhecido mas único Château de Brézé. Menos visitado que os demais, essa fortaleza medieval do século XI possui uma arquitetura particular que lhe rendeu o título de “um castelo embaixo de outro castelo” – inúmeros túneis abertos na própria rocha sobre a qual foi construído se conectam com diversos pontos do castelo e adjacências, além de formar verdadeiros esconderijos, fundamentais na ocorrência de uma eventual invasão. Para fechar com chave de ouro a visita, não deixe de degustar (ou comprar!) o vinho produzido no local. Uma delícia!

Breze - Vale do Loire - FrancaChâteau de Brézé

Breze - Vale do Loire - FrancaChâteau de Brézé – pátio

Breze - Vale do Loire - FrancaChâteau de Brézé – caminhos por baixo do castelo

Breze - Vale do Loire - FrancaChâteau de Brézé – Paredão lateral

Fechando o dia e o passeio, continue até Angers. Diferentemente das anteriores, essa cidade possui aproximadamente 150 mil habitantes e, se tiver tempo, merece um passeio além de sua principal atração. Comece pelo medieval e, em nossa opinião, mais típico castelo do vale. O Château d’Angers começou a ser construído no século IX, ganhando a adição de 17 torres de 30 metros de altura e 18 de largura, garantindo uma arquitetura belíssima e uma estrutura de defesa invejável. No interior, construções como a residência real, duas capelas e algumas galerias em homenagem aos antigos reis podem ser visitadas.

Angers - Vale do Loire - FrancaCastelo de Angers

Angers - Vale do Loire - FrancaCastelo de Angers

Perca algumas horas andando pela graciosa cidade cortada pelo rio Maine, com visita à catedral, construída a partir do século XI com traços góticos e romanescos, e às estreitas ruas da parte mais antiga de Angers.

Angers - Vale do Loire - FrancaCatedral de Angers

Angers - Vale do Loire - FrancaCastelo e Cidade Murada no fundo

Angers - Vale do Loire - FrancaAngers

Angers - Vale do Loire - FrancaAngers

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking ou aluguel de carros no RentalCars. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!


Precisa de orientação para montar um roteiro inesquecível? Quer ajuda em reservas de hotéis, aluguel de carros, passagens de avião, ônibus ou trem? Quer montar um roteiro 100% personalizado e tornar sua viagem inesquecível? Visite nossa página de Roteiros Personalizados ou deixe sua mensagem abaixo.

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 31 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Reprodução ou cópia não autorizada!