Machu Picchu, a cidade perdida, e Huayna Picchu

Conforme explicamos no post de Cusco, optamos por passar dois dias inteiros em Machu Picchu (e não nos arrependemos!). No entanto, existem algumas opções para a visita:

  1. Trilhas Inca: para os aventureiros. A clássica são quase 50km a pé em 4 dias sem qualquer luxo. É fundamental reservar com antecedência. Existem, ainda, inúmeras variações mais longas ou curtas para atender os mais variados espíritos e preparos físicos.
  2. Bate e volta: para os que desejam visitar apenas Machu Picchu.
  3. Pernoite em Águas Calientes (ou Ollantaytambo): para os que desejam fazer Machu Picchu com Huayna Picchu ou Montaña ou mais tempo livre para a citadela.
    1. Podem ir cedo em um dia e retornar apenas no dia seguinte (nosso caso), o que permite duas visitas a Machu Picchu.
    2. Podem ir no final do dia, geralmente a partir da estação de Ollantaytambo durante o passeio do Valle Sagrado, para já acordarem lá ou saírem bem cedo de Ollantaytambo.

Como escolher a opção? Primeiro é preciso decidir se deseja ou não subir a Montaña ou Huayna Picchu, pois implica na compra do ingresso, e refletir sobre o tempo para visitação (funciona de 6h às 17h):

  1. Visita apenas à citadela no período da tarde (1000 pessoas)
  2. Visita apenas à citadela dia inteiro (2500 pessoas)
  3. Visita à citadela + Montaña (400 pessoas com entrada entre 7h e 8h e 400 pessoas com entrada entre 9h e 10h). A subida é cansativa e feita em cerca de 1h30, mas permite fotos espetaculares.
  4. Visita à citadela + Huayna Picchu (200 pessoas com entrada entre 7h e 8h e 200 pessoas com entrada entre 10h e 11h). Essa é a opção com menos ingressos e também mais concorrida. Portanto, sugerimos a compra antecipada (se possível meses antes). A subida é íngreme e cansativa, realizada de 45min a 1h, mas para os que estão dispostos vale cada esforço. Além da vista sensacional, existem ruínas e templos a serem explorados no topo.

Ah, Machu Picchu fica a 2400 metros, 1000 metros abaixo de Cusco. Logo, a altitude causa muito menos sintomas, sobretudo se já estiver há alguns dias em Cusco!

Como comprar o ingresso? Os ingressos são vendidos diretamente pelo Ministério da Cultura do Peru pela internet. O site é super amigável e mostra em tempo real o preço e o número de ingressos disponíveis para uma determinada data e passeio. É necessário cartão de crédito da bandeira Visa com sistema Verified by Visa, o que eventualmente gera problemas no pagamento.

Como fazer o deslocamento? Existem três possibilidades:

  1. Trem a partir da estação de Poroy (a 20min de Cusco de táxi) com duração de 3 horas.
  2. Trem a partir da estação de Ollantaytambo (os passeios te deixam na porta) com duração de 1h30.
  3. Combinação de ônibus a partir de Cusco e trem de Pachar: a própria companhia de trem faz o deslocamento do ônibus no período das chuvas e manutenção dos trilhos, ou seja, a compra é a mesma, apenas alonga a viagem em cerca de 1h.

Existem duas empresas que funcionam bem e a compra é online (também recomendamos antecedência):

  1. Perurail (três tipos diferentes de trem):
    1. Expedition: opção mais econômica.
    2. Vistadome: com grandes janelões laterais e superiores – ótimo para apreciar a vista.
    3. Hiram Bingham: opção alto luxo (e preço) que inclui ingresso, translado e guia na citadela, além de um chá no luxuoso Belmond Sanctuary Lodge.
  2. Incarail (possui quatro classes diferentes): econômica, executiva, premium ou presidencial.

O que levar? Não é necessário (e nem recomendado) levar suas malas. Deixe no hotel de Cusco – eles estão acostumados com esse hábito e guardam sem problemas. Se for passar a noite, leve apenas o mínimo para o período em uma mochila (inclua capa de chuva e casaco) e lembre-se que estará carregando esse peso no passeio!

Melhor época para ir? Conforme explicamos no post sobre o Peru, a melhor época é de maio até setembro, sendo que abril e outubro são meses um pouco mais arriscados. Como assim? A partir do início de abril até o fim de outubro, temos um período de maior seca, o que reduz as chances de chuvas e até mesmo bloqueios que impeçam ou atrapalhem a visitação à citadela.

Bom, dúvidas sanadas, vamos ao passeio! Como fomos no início de abril, o trajeto era ônibus+trem e, portanto, pegamos o táxi até a estação de ônibus da PeruRail (5min do hotel) e embarcamos 6h. Chegamos às 7h na estação de Pachar (bem simples) e por volta de 8h saímos em direção a Águas Calientes. Compramos a passagem no Vistadome da PeruRail. O trem, embora lento (mais do que os regionais europeus), é extremamente confortável. Serviram um café da manhã (incluso) e aproveitamos as belas paisagens no trajeto de cerca de 2h.

Pachar - Machu Picchu - PeruEstação Pachar

Perurail - Machu Picchu - PeruTrem Vistadome

Perurail - Machu Picchu - Peru

Perurail - Machu Picchu - PeruJanelões laterais e superiores

Ponte Inca - Machu Picchu - PeruPonte Inca no trajeto

Deslocamento Trem - Machu Picchu - PeruPela margem do Urubamba

Chegamos em Aguas Calientes por volta de 11h e fomos direto para o Hotel Taypikala Machupicchu. A escolha do hotel foi super difícil, pois os preços estavam abusivos (incluindo esse) embora não fosse alta temporada. O quarto e o banheiro eram enormes, mas o hotel tinha uma manutenção a desejar. Existem inúmeros hotéis em Águas Calientes, mas dois se destacam no patamar luxo:

  • Sumaq Hotel: ótimos quartos e instalações, ao lado da estação de Águas Calientes. Tem um restaurante super elogiado!
  • Belmond Sanctuary Lodge: é o único hotel que fica realmente em Machu Picchu – a poucos metros da entrada da citadela, o que permite ver o pôr-do-sol. É caríssimo!

Aguas Calientes é uma cidade dormitório com uma estação de trem, uma pequena feira de artesanato próxima à estação e uma praça, além dos hotéis e restaurantes. Existem algumas casas de banho termal, mas as piscinas são rasas e de aspecto sujo – não recomendamos. Fizemos uma breve visita à praça principal antes de embarcar no caro ônibus que faz o trajeto sinuoso e de terra Aguas Calientes-Machu Picchu em 20 minutos. Para os que desejam subir a pé, é possível e demora entre 45min e 2h.

Aguas Calientes - Machu Picchu - PeruIgreja da cidade

Aguas Calientes - Machu Picchu - PeruMonumento que representa o inca e a trilogia espiritual Inca: o Condor, o Puma e a Serpente 

Compramos o bilhete do ônibus – sai de 15 em 15 minutos por ordem na fila. Contratamos um guia no local (entre 40 e 50 USD, mas é imprescindível para compreender as construções) que nos mostrou e contou tudo que precisávamos saber sobre o local desde o lugar de onde vieram as pedras até o abandono e descoberta por Hiram Bingham no início do século XX.

Machu Picchu significa Velha Montanha (em quechua) e foi construída no século XV, tendo sido habitada por quase 100 anos. Provavelmente pela invasão espanhola, os incas abandonaram a cidade que permaneceu escondida por séculos protegida pelo relevo extremamente acidentado até sua “descoberta” pelo norte-americano em 1911 – há controvérsias e alguns defendem que um peruano, no início de 1900, foi quem descobriu. É considerada Patrimônio Mundial e, por isso, a visitação é tão controlada. Vale a lembrança do cuidado individual com o lixo e com as ruínas.

Pouco se sabe e muito se especula sobre seu papel no Império Inca. Pela grandiosidade e aspecto das construções – à prova de terremotos, acredita-se que tenha sido um local de estudos astronômicos e de adoração dos deuses – relógios solares, zonas agrícolas, moradia, templos, anfiteatros, pedras entalhadas que lembram o cruzeiro do sul e o relevo das montanhas que circundam a citadela… é fascinante! E o mais incrível: nunca foi concluída! Especula-se, inclusive, que a proposta do uso do granito era para conservar as energias.

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - PeruZona Urbana

Machu Picchu - PeruPortais

Machu Picchu - PeruPedra Sagrada

Machu Picchu - PeruAnfiteatro

Terminado o tour, aproveitamos o belo dia para fazer a trilha para a ponte inca – incrível a capacidade de construção em penhascos!

Machu Picchu - Peru

Outra constatação, coincidência ou não, é que as montanhas apresentam a forma de um rosto e, voltado para os céus, lugar dos espíritos e deuses, justificando o local da cidade sagrada.

Machu Picchu - Peru

Retornamos às 17h, descansamos no hotel e à noite jantamos no Indiofeliz, um restaurante franco-peruano super charmoso com bom custo-benefício e uma decoração acolhedora. Pedimos uma sopa de cebola e uma sopa creolla de entrada, uma massa e uma carne. Excelente! Sugerimos reserva, pois é concorrido.

Indiofeliz - Aguas Calientes - Machu Picchu - Peru

Indiofeliz - Aguas Calientes - Machu Picchu - Peru

No dia seguinte acordamos bem cedo para fazer a subida para Huayna Picchu no primeiro grupo (7h-8h). Fizemos o check-out e pegamos o ônibus para chegar à entrada da citadela! Estava um verdadeiro temporal e a neblina encobria tudo. Não tínhamos alternativa a não ser acreditar que o tempo mudaria.

Huayna Picchu - Machu Picchu - PeruHuayna Picchu é aquela montanha lá no fundo. Em primeiro plano, o anfiteatro.

A subida foi cansativa, sobretudo com o peso extra na mochila e roupas encharcadas. O trajeto durou quase 1h chegamos e embora tivesse parado de chover a neblina continuava.

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Aproveitamos para desbravar as ruínas e templos existentes no topo. É claro que isso implicou em mais subidas e, inclusive, passagens pelo meio de verdadeiras cavernas. Tudo valeu a pena! O visual e a riqueza das construções são indescritíveis!

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Passado algum tempo fomos presenteados com a redução expressiva da neblina e a vista da citadela foi deslumbrante!

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Assim como o Rio Urubamba e a Floresta Amazônica.

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Fomos os últimos do primeiro grupo a retornar e aproveitamos para contemplar com a calma que o dia anterior não permitiu a citadela e a belíssima natureza ao seu redor.

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Descemos às 15h30 para pegar o trem das 17h sem pressa em direção a Cusco. Serviram um lanche e fizeram uma apresentação folclórica no retorno (também pela Perurail Vistadome).

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!.

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 32 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

22 Resultados

  1. Anna Claudia Rodrigues Santos disse:

    Que saudade dessa viagem… Peru é lindo demais e Machu Picchu é a minha maravilha do mundo preferida até o momento! Queria ter subido a Huayna Picchu, mas na época não me organizei com a antecedência necessária para comprar o ingresso. Uma delícia reviver essa viagem com seu post!

  2. Maiara Barbosa disse:

    Adorei as fotos e as dicas. Sempre quando ouço falar de Machu Picchu fico pensando nos deslocamentos e vi que existem algumas opções. Ainda assim, vocês acham que é um passeio que dá pra fazer por conta ou é melhor contratar os serviços de uma agência?

  3. Luisa Galiza disse:

    Ah que saudade dessa terrinha…. um adica que eu tenho pra acrescentar é a Montanha Putukusi, que fica em Águas Calientes e poucos conhecem. Tem uma vista única de MP e como subimos nela antes de conhecer a cidade perdida, é simplesmente mágico!

  4. nicole disse:

    aaah que sonho fazer essa viagem! não sei se tenho preparo pra subir na huayna picchu, mas quero subir, e sei o quanto é dificil conseguir comprar, então tem que ser bem organizadinho mesmo! quero conhecer logo!

  5. Manuela disse:

    Fui a Machu Picchu em 2009 e quero muito voltar para fazer as trilhas. Fiz bate e volta de Cusco e queria uma experiência diferente agora.

  6. Renata Telles disse:

    Um dos destinos da minha listinha… Sempre digo que vou pra Machu Picchu e acabo indo para outro lugar. Adorei as dicas (mas nao sei se aguentariaaaaa pois sou muito sedentaria.. hahahaha). Acho que teria q me exercitar um mes antes ne?! rs

  7. Alice disse:

    Oi,
    Fizemos a viagem para o Machu Picchu em 2014, grávida de 5 meses, e ainda sem filhos.
    Na época, fomos de Cusco até Águas Calientes de trem. E, não conseguimos ir até o Wayna Picchu por falta de disponibilidade. Seu post é de 2016, sabe se desde as entradas estão mais limitadas ? Quando foi, fez a trilha de 4-5 dias ?

    • Olá Alice. O post é de 2016, mas fomos em 2014 também…
      No entanto, alguns amigos nossos estiveram lá recentemente e atualizamos o post também há pouco tempo: as entradas são mais limitadas e há a obrigatoriedade de guia, sem permitir a visitação livre como era na época em que estivemos!
      Quanto à trilha, não fizemos! Fomos de trem também.

  8. Livia Melo disse:

    Que incrível esse passeio, Machu Picchu é sonho! Mas é muito puxado para quem é sedentário?

  9. Danielle disse:

    Quando fui, não tinha o passeio para Huyana Picchu ou, não me chamou atenção na época, por poucos terem realizado a subida.
    Nossa, como sobe!
    Você acha que é um passeio indispensável? Sentiu o mal da altitude?

  10. STHEFANIA MEMELLI PEIXOTO disse:

    Eu fiz a trilha de Huayna Picchu e amei, mas tive uma certa dificuldade com questões respiratórias, pois sou asmática. Com carinho e fazendo paradas, deu tudo certinho. Amei o visual e as fotos que tirei, mas não achei indispensável, uma pessoa fica feliz e realizada só de conhecer o sítio também. O que vocês acharam?

    • Que bom que deu tudo certo!
      Com certeza ir a Machu Picchu é uma realização por si só, mas achamos que para aqueles que não possuem problemas de saúde e se prepararam, a vista de Huayna é espetacular, além da percepção e experiência de como os incas fizeram tudo aquilo há tanto anos.

  11. Mari disse:

    Sabem se tem o que fazer depois que o parque fecha em águas calientes? Não vamos dormir, mas só conseguimos passagem de trem para 21:00… pensamos em jantar antes de retornar a Cusco

    • Boa noite Mari. Conforme detalhamos ao longo do post, em Aguas Calientes existem algumas (poucas) atrações na cidade e temos algumas dicas de restaurante.
      Quando estivemos, dormimos um dia e adoramos o que visitamos (no final do post tem algumas fotos!). Acredito que sua opção de jantar e depois embarcar será ideal!
      Qualquer dúvida estamos à disposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Alerta: Conteúdo Protegido!