Machu Picchu, a cidade perdida, e Huayna Picchu

Conforme explicamos no post de Cusco, optamos por passar dois dias inteiros em Machu Picchu (e não nos arrependemos!). No entanto, existem algumas opções para a visita:

  1. Trilhas Inca: para os aventureiros. A clássica são quase 50km a pé em 4 dias sem qualquer luxo. É fundamental reservar com antecedência. Existem, ainda, inúmeras variações mais longas ou curtas para atender os mais variados espíritos e preparos físicos.
  2. Bate e volta: para os que desejam visitar apenas Machu Picchu.
  3. Pernoite em Águas Calientes (ou Ollantaytambo): para os que desejam fazer Machu Picchu com Huayna Picchu ou Montaña ou mais tempo livre para a citadela.
    1. Podem ir cedo em um dia e retornar apenas no dia seguinte (nosso caso), o que permite duas visitas a Machu Picchu.
    2. Podem ir no final do dia, geralmente a partir da estação de Ollantaytambo durante o passeio do Valle Sagrado, para já acordarem lá ou saírem bem cedo de Ollantaytambo.

Como escolher a opção? Primeiro é preciso decidir se deseja ou não subir a Montaña ou Huayna Picchu, pois implica na compra do ingresso, e refletir sobre o tempo para visitação (funciona de 6h às 17h):

  1. Visita apenas à citadela no período da tarde (1000 pessoas)
  2. Visita apenas à citadela dia inteiro (2500 pessoas)
  3. Visita à citadela + Montaña (400 pessoas com entrada entre 7h e 8h e 400 pessoas com entrada entre 9h e 10h). A subida é cansativa e feita em cerca de 1h30, mas permite fotos espetaculares.
  4. Visita à citadela + Huayna Picchu (200 pessoas com entrada entre 7h e 8h e 200 pessoas com entrada entre 10h e 11h). Essa é a opção com menos ingressos e também mais concorrida. Portanto, sugerimos a compra antecipada (se possível meses antes). A subida é íngreme e cansativa, realizada de 45min a 1h, mas para os que estão dispostos vale cada esforço. Além da vista sensacional, existem ruínas e templos a serem explorados no topo.

Ah, Machu Picchu fica a 2400 metros, 1000 metros abaixo de Cusco. Logo, a altitude causa muito menos sintomas, sobretudo se já estiver há alguns dias em Cusco!

Como comprar o ingresso? Os ingressos são vendidos diretamente pelo Ministério da Cultura do Peru pela internet. O site é super amigável e mostra em tempo real o preço e o número de ingressos disponíveis para uma determinada data e passeio. É necessário cartão de crédito da bandeira Visa com sistema Verified by Visa, o que eventualmente gera problemas no pagamento.

Como fazer o deslocamento? Existem três possibilidades:

  1. Trem a partir da estação de Poroy (a 20min de Cusco de táxi) com duração de 3 horas.
  2. Trem a partir da estação de Ollantaytambo (os passeios te deixam na porta) com duração de 1h30.
  3. Combinação de ônibus a partir de Cusco e trem de Pachar: a própria companhia de trem faz o deslocamento do ônibus no período das chuvas e manutenção dos trilhos, ou seja, a compra é a mesma, apenas alonga a viagem em cerca de 1h.

Existem duas empresas que funcionam bem e a compra é online (também recomendamos antecedência):

  1. Perurail (três tipos diferentes de trem):
    1. Expedition: opção mais econômica.
    2. Vistadome: com grandes janelões laterais e superiores – ótimo para apreciar a vista.
    3. Hiram Bingham: opção alto luxo (e preço) que inclui ingresso, translado e guia na citadela, além de um chá no luxuoso Belmond Sanctuary Lodge.
  2. Incarail (possui quatro classes diferentes): econômica, executiva, premium ou presidencial.

O que levar? Não é necessário (e nem recomendado) levar suas malas. Deixe no hotel de Cusco – eles estão acostumados com esse hábito e guardam sem problemas. Se for passar a noite, leve apenas o mínimo para o período em uma mochila (inclua capa de chuva e casaco) e lembre-se que estará carregando esse peso no passeio!

Melhor época para ir? Conforme explicamos no post sobre o Peru, a melhor época é de maio até setembro, sendo que abril e outubro são meses um pouco mais arriscados. Como assim? A partir do início de abril até o fim de outubro, temos um período de maior seca, o que reduz as chances de chuvas e até mesmo bloqueios que impeçam ou atrapalhem a visitação à citadela.

Bom, dúvidas sanadas, vamos ao passeio! Como fomos no início de abril, o trajeto era ônibus+trem e, portanto, pegamos o táxi até a estação de ônibus da PeruRail (5min do hotel) e embarcamos 6h. Chegamos às 7h na estação de Pachar (bem simples) e por volta de 8h saímos em direção a Águas Calientes. Compramos a passagem no Vistadome da PeruRail. O trem, embora lento (mais do que os regionais europeus), é extremamente confortável. Serviram um café da manhã (incluso) e aproveitamos as belas paisagens no trajeto de cerca de 2h.

Pachar - Machu Picchu - PeruEstação Pachar

Perurail - Machu Picchu - PeruTrem Vistadome

Perurail - Machu Picchu - Peru

Perurail - Machu Picchu - PeruJanelões laterais e superiores

Ponte Inca - Machu Picchu - PeruPonte Inca no trajeto

Deslocamento Trem - Machu Picchu - PeruPela margem do Urubamba

Chegamos em Aguas Calientes por volta de 11h e fomos direto para o Hotel Taypikala Machupicchu. A escolha do hotel foi super difícil, pois os preços estavam abusivos (incluindo esse) embora não fosse alta temporada. O quarto e o banheiro eram enormes, mas o hotel tinha uma manutenção a desejar. Existem inúmeros hotéis em Águas Calientes, mas dois se destacam no patamar luxo:

  • Sumaq Hotel: ótimos quartos e instalações, ao lado da estação de Águas Calientes. Tem um restaurante super elogiado!
  • Belmond Sanctuary Lodge: é o único hotel que fica realmente em Machu Picchu – a poucos metros da entrada da citadela, o que permite ver o pôr-do-sol. É caríssimo!

Aguas Calientes é uma cidade dormitório com uma estação de trem, uma pequena feira de artesanato próxima à estação e uma praça, além dos hotéis e restaurantes. Existem algumas casas de banho termal, mas as piscinas são rasas e de aspecto sujo – não recomendamos. Fizemos uma breve visita à praça principal antes de embarcar no caro ônibus que faz o trajeto sinuoso e de terra Aguas Calientes-Machu Picchu em 20 minutos. Para os que desejam subir a pé, é possível e demora entre 45min e 2h.

Aguas Calientes - Machu Picchu - PeruIgreja da cidade

Aguas Calientes - Machu Picchu - PeruMonumento que representa o inca e a trilogia espiritual Inca: o Condor, o Puma e a Serpente 

Compramos o bilhete do ônibus – sai de 15 em 15 minutos por ordem na fila. Contratamos um guia no local (entre 40 e 50 USD, mas é imprescindível para compreender as construções) que nos mostrou e contou tudo que precisávamos saber sobre o local desde o lugar de onde vieram as pedras até o abandono e descoberta por Hiram Bingham no início do século XX.

Machu Picchu significa Velha Montanha (em quechua) e foi construída no século XV, tendo sido habitada por quase 100 anos. Provavelmente pela invasão espanhola, os incas abandonaram a cidade que permaneceu escondida por séculos protegida pelo relevo extremamente acidentado até sua “descoberta” pelo norte-americano em 1911 – há controvérsias e alguns defendem que um peruano, no início de 1900, foi quem descobriu. É considerada Patrimônio Mundial e, por isso, a visitação é tão controlada. Vale a lembrança do cuidado individual com o lixo e com as ruínas.

Pouco se sabe e muito se especula sobre seu papel no Império Inca. Pela grandiosidade e aspecto das construções – à prova de terremotos, acredita-se que tenha sido um local de estudos astronômicos e de adoração dos deuses – relógios solares, zonas agrícolas, moradia, templos, anfiteatros, pedras entalhadas que lembram o cruzeiro do sul e o relevo das montanhas que circundam a citadela… é fascinante! E o mais incrível: nunca foi concluída! Especula-se, inclusive, que a proposta do uso do granito era para conservar as energias.

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - PeruZona Urbana

Machu Picchu - PeruPortais

Machu Picchu - PeruPedra Sagrada

Machu Picchu - PeruAnfiteatro

Terminado o tour, aproveitamos o belo dia para fazer a trilha para a ponte inca – incrível a capacidade de construção em penhascos!

Machu Picchu - Peru

Outra constatação, coincidência ou não, é que as montanhas apresentam a forma de um rosto e, voltado para os céus, lugar dos espíritos e deuses, justificando o local da cidade sagrada.

Machu Picchu - Peru

Retornamos às 17h, descansamos no hotel e à noite jantamos no Indiofeliz, um restaurante franco-peruano super charmoso com bom custo-benefício e uma decoração acolhedora. Pedimos uma sopa de cebola e uma sopa creolla de entrada, uma massa e uma carne. Excelente! Sugerimos reserva, pois é concorrido.

Indiofeliz - Aguas Calientes - Machu Picchu - Peru

Indiofeliz - Aguas Calientes - Machu Picchu - Peru

No dia seguinte acordamos bem cedo para fazer a subida para Huayna Picchu no primeiro grupo (7h-8h). Fizemos o check-out e pegamos o ônibus para chegar à entrada da citadela! Estava um verdadeiro temporal e a neblina encobria tudo. Não tínhamos alternativa a não ser acreditar que o tempo mudaria.

Huayna Picchu - Machu Picchu - PeruHuayna Picchu é aquela montanha lá no fundo. Em primeiro plano, o anfiteatro.

A subida foi cansativa, sobretudo com o peso extra na mochila e roupas encharcadas. O trajeto durou quase 1h chegamos e embora tivesse parado de chover a neblina continuava.

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Aproveitamos para desbravar as ruínas e templos existentes no topo. É claro que isso implicou em mais subidas e, inclusive, passagens pelo meio de verdadeiras cavernas. Tudo valeu a pena! O visual e a riqueza das construções são indescritíveis!

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Passado algum tempo fomos presenteados com a redução expressiva da neblina e a vista da citadela foi deslumbrante!

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Assim como o Rio Urubamba e a Floresta Amazônica.

Huayna Picchu - Machu Picchu - Peru

Fomos os últimos do primeiro grupo a retornar e aproveitamos para contemplar com a calma que o dia anterior não permitiu a citadela e a belíssima natureza ao seu redor.

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Machu Picchu - Peru

Descemos às 15h30 para pegar o trem das 17h sem pressa em direção a Cusco. Serviram um lanche e fizeram uma apresentação folclórica no retorno (também pela Perurail Vistadome).

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking ou aluguel de carros no RentalCars. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!


Precisa de orientação para montar um roteiro inesquecível para Machu Picchu e Peru? Quer ajuda em reservas de hotéis, passagens de avião, ônibus ou aluguel de carros? Quer montar um roteiro 100% personalizado e tornar sua viagem inesquecível? Visite nossa página de Roteiros Personalizados ou deixe sua mensagem abaixo.

Gostou do post? Compartilhe!

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 30 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Reprodução ou cópia não autorizada!