Serra Gaúcha: Visitando o Canyon do Itaimbezinho

Conforme explicamos no post da Serra Gaúcha, um passeio incrível se tiver mais tempo é visitar o Canyon do Itaimbezinho, no Parque Nacional dos Aparados da Serra, próximo a Cambará do Sul, na divisa entre o estado do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A formação rochosa, com nome do tupi-guarani que significa pedra afiada, tem mais de 100 milhões de anos e conta com uma profundidade de mais de 700 metros e extensão de quase 6 km – um dos maiores da América do Sul.

Qual a melhor época para ir em Itaimbezinho?

O parque está aberto o ano todo, de terça a domingo, de 8h às 17h (abre nas segundas se for feriado!). Não existe uma melhor época para visitar o local, com chuvas distribuídas ao longo de todo o ano em intensidade semelhante. Vale a lembrança apenas que no inverno as temperaturas são mais baixas (média de 6,5ºC) e, portanto, casacos corta-vento, gorros, luvas e cachecóis podem ser necessários.

Quanto tempo ficar para visitar o Canyon do Itaimbezinho?

Se você optar por fazer a Trilha Rio do Boi (veja abaixo) ou visitar o Cânion Fortaleza (um outro belíssimo cânion na região), sugerimos dormir um dia em Cambará do Sul, pois um dia fica muito corrido para fazer tudo. Caso contrário, é tranquilo fazer um bate e volta de Gramado.

Como chegar no Canyon do Itaimbezinho?

O Canyon do Itaimbezinho está localizado a 110km de Gramado (2h) pela RS-235 até São Francisco de Paula (saída por Canela) e RS-020 até Cambará do Sul. Dessa forma, pode ser conhecido de carro ou através de uma excursão contratada no centro de Gramado ou Canela. A estrada é asfaltada até Cambará, sendo apenas 18km de terra em boas condições pela RS-427 até a entrada do parque. Se estiver em Santa Catarina, siga pela BR-101 e SC-290 até Praia Grande e, em seguida, pela SC-290 e RS-427 até o parque (23km de terra).

Onde ficar para visitar o Canyon do Itaimbezinho?

Existem poucos hotéis (veja aqui) e sugerimos o Cambará Eco Hotel, o luxuoso Parador Casa da Montanha ou o mais simples Pousada Brisa dos Canyons. Caso opte pelo bate e volta, temos algumas sugestões de hotéis em Gramado.

O que levar para o Canyon do Itaimbezinho?

Sugerimos roupas adequadas à temperatura, mas que sejam leves e confortáveis, sobretudo os calçados – de preferência tênis. Leve, ainda, água para se hidratar e algum lanche para matar a fome.

O que fazer? Roteiro!

A entrada é paga (veja os valores no site oficial) e a sede do parque possui uma infraestrutura adequada com sanitários e informações turísticas. Duas trilhas planas, bem sinalizadas e de fácil acesso podem ser feitas sem auxílio de um guia para observação a partir da borda do cânion: do Cotovelo (6km entre 2h30 e 3h) e do Vértice (1,5km em 1h). Uma terceira trilha partindo de outro ponto, chamada de Rio do Boi, acessa sua borda através de uma caminhada de 16km (ida e volta) em quase 7h – é sugerido acompanhamento de guia e reserva. A flora é belíssima com um misto da Mata Atlântica e da Araucária espalhadas pelos desfiladeiros e planícies, que servem de morada para aves e mamíferos.

Quando estivemos, como foi um bate e volta a partir de Gramado, optamos pelas duas trilhas principais do topo do Itaimbezinho – Cotovelo e Vértice. Foram super tranquilas e as paisagens são de tirar o fôlego. Saímos no início da manhã e retornamos no meio da tarde!

Canyon do Itaimbezinho - Aparados da Serra - Serra Gaucha
Canyon do Itaimbezinho - Aparados da Serra - Serra Gaucha
Canyon do Itaimbezinho - Aparados da Serra - Serra Gaucha
Canyon do Itaimbezinho - Aparados da Serra - Serra Gaucha
Canyon do Itaimbezinho - Aparados da Serra - Serra Gaucha
Canyon do Itaimbezinho - Aparados da Serra - Serra Gaucha

Para ver mais dicas, passeios, cidades e atrações da Serra Gaúcha, visite o post “Serra Gaúcha: Roteiro de viagem de 4 a 7 dias“.

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 33 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

2 Resultados

  1. Ivete Sester disse:

    Muito bacana o relato de sua experiência!! Obrigada por compartilhar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Alerta: Conteúdo Protegido!