Bruges: o romantismo pelas estreitas ruas e canais medievais

Conforme explicamos no post sobre a Bélgica, Bruges é um destino imperdível na região dos Flandres – tudo está no idioma flamengo, mas não é um problema se comunicar em inglês ou francês, a outra língua oficial do país.

Com uma população de pouco mais de 100 mil habitantes, essa pequena e romântica cidade medieval, também conhecida como “Veneza do Norte” por seus inúmeros canais e ruelas, teve as primeiras construções estabelecidas durante o Império Romano, no século I a.C. No entanto, foi apenas mais de 1000 anos depois, que se tornou uma cidade, vivendo uma era de prosperidade, sobretudo no comércio, por quase 400 anos. Desde então, sofreu um período de decadência, ressurgindo no século XIX como importante porto e área turística.

Qual a melhor época para ir em Bruges?

É uma cidade com clima Oceânico, com dias amenos no verão (média entre 11ºC e 22ºC) e frios no inverno (média entre 1ºC e 7ºC), com precipitações distribuídas ao longo de todo o ano. Portanto, recomendamos o período entre junho e setembro para visitar Bruges, quando estará mais movimentada e alegre. Estivemos por um dia (dormimos!) em outubro de 2011, no trajeto entre Paris e Amsterdam, após um dia em Bruxelas.

Quanto tempo ficar em Bruges?

O tempo mínimo recomendado para conhecer as principais atrações e curtir Bruges é um dia inteiro. No entanto, muitos turistas optam por um bate e volta a partir de Bruxelas (1 hora de viagem ) ou Antuérpia. Outra alternativa é passar o dia antes de seguir para a Holanda (ou França) a partir de Bruxelas. Recomendamos dormir uma noite para uma experiência adicional.

Como chegar em Bruges?

  • Carro: pouco usada, mas uma boa alternativa se deseja desbravar o interior do país. Vale reforçar que o deslocamento no centro histórico é essencialmente a pé.
  • Trem: seja para um bate e volta (de Bruxelas), para uma passagem entre dois destinos (Paris ou Amsterdam) ou para ficar alguns dias na cidade, é, sem sombra de dúvidas, a principal forma de chegar à cidade.

Veja dicas de como comprar, economizar e se deslocar de trem na Europa em nosso post “Como viajar de trem na Europa“.

Onde ficar em Bruges?

Todas as principais atrações são facilmente percorridas a pé na região histórica, onde há restrições aos carros – muitas ruas são apenas para pedestres. Por isso, o ideal é se hospedar no centro – Patrimônio da UNESCO – e, se possível, mais próximo da estação de trem, facilitando o deslocamento. As alternativas são muitas e a qualidade dos hotéis é excelente, ainda mais em uma cidade antiga como Bruges. Quando fomos, em 2011, não encontramos muitas opções para o dia em que estaríamos na cidade e acabamos ficando em um aconchegante B&B, próximo à estação de trem (e, é claro, ao centro!), chamado B&B Den Witten Leeuw (atualmente chama-se Gallery).

Outras sugestões são os quatro estrelas Hotel Van Cleef, Relais & Châteaux Hotel Heritage, Hotel de Orangerie, Grand Hotel du SablonRelais Bourgondisch Cruyce, os três estrelas Hotel Fevery e Hotel Patritius e o B&B House of Brugge. Veja todas as alternativas aqui, incluindo outros ótimos B&Bs!

O que fazer? Roteiro!

Como explicamos no roteiro de Bruxelas, chegamos bem cedo na cidade, deixamos as malas no hotel e começamos pelo Begijnhof (ou Béguinage), um grupo de casas usado por mulheres religiosas que não faziam votos nem se afastavam do convívio social, mas seguiam uma vida independente sob os preceitos religiosos. Fundado em meados do século XIII, desde 1927 funciona como um convento beneditino. Quando estivemos no local, não foi possível entrar, mas habitualmente as visitas são realizadas em pequenos grupos. O local é formado de um pátio central e inúmeras casas muito próximas, formando uma parede no entorno do gramado.

Begijnhof - Bruges - Belgica
Entrada do Begijnhof
Bruges - Belgica
Os canais de Bruges

Logo ao lado fica o Minnewaterpark, um verde parque com um pequeno lago, o Lago do Amor. A lenda diz que os casais que pela ponte andarem terão o amor eterno. É claro que passamos na ponte!

Minnewaterpark - Bruges - Belgica
Lago do Minnewaterpark
Minnewaterpark - Bruges - Belgica
Minnewaterpark

Caminhando pela Katelijnestraat, entre na belíssima Onze-Lieve-Vrouwekerk (Igreja de Nossa Senhora de Bruges), do século XIII, em frente ao Sint-Janshospitaal (Hospital de São João), um dos mais antigos da Europa (século XI). A igreja, com uma das maiores torres de tijolos do mundo, possui inúmeras obras de arte, sendo a principal a Madonna com a Criança, do italiano Michelangelo, do início do século XVI. Infelizmente, em virtude das obras no local, grande parte estava inacessível aos visitantes. Bem próximo fica o Groeningemuseum, museu dedicado à arte e cultura belga e flamenga.

Igreja de Nossa Senhora - Bruges - Belgica
Igreja de Nossa Senhora - Bruges - Belgica
Igreja de Nossa Senhora - Bruges - Belgica

A alguns passos, pela Heilige-Geeststraat, está a também majestosa Sint-Salvatorskathedraal (Catedral de São Salvador), a igreja paroquial mais antiga de Bruges, do século XII, com belas pinturas e tapeçarias, além de catacumbas medievais.

Catedral de Sao Salvador - Bruges - Belgica
Catedral de Sao Salvador - Bruges - Belgica
Catedral de Sao Salvador - Bruges - Belgica
Catedral de Sao Salvador - Bruges - Belgica

Retorne até o Museu do Diamante (não fomos, mas ouvimos falar bem!) e siga em direção à Igreja Heilige Maria-Magdalena (Igreja Santa Maria Madalena), construída em 1851 em estilo neogótico. Não deixe de notar as Godshuizen (Casas de Caridade), casas simples construídas a partir do século XIV para abrigar idosos e viúvas menos afortunados.

Bruges - Belgica
Pela cidade – lembra Amsterdam, não?
Museu do Diamante - Bruges - Belgica
Museu do Diamante
Casas de Caridade - Bruges - Belgica
Casas de Caridade
Igreja Santa Maria Madalena - Bruges - Belgica
Igreja Santa Maria Madalena

Passe pelo Parque Astrid, atrás da igreja, para chegar ao Vismarkt (Mercado dos Peixes). Continue, em seguida, por uma graciosa praça e pare para uma foto na “esquina” mais fotografada de Bruges – Braambergstraat com Pandreitje.

Parque Astrid - Bruges - Bruxelas
Parque Astrid
Mercado de Peixes - Bruges - Belgica
Mercado de Peixes
Bruges - Belgica
Praças escondidas entre as vielas com charmosos restaurantes e cafés
Esquina mais fotografada - Bruges - Belgica
“Esquina” mais fotografada

Retorne ao Vismarkt e atravesse a ponte para contemplar duas atrações imperdíveis na Praça Burg: o Stadhuis (Prefeitura), imponente construção do século XIV, e a Heilig-Bloedbasiliek (Basílica do Sangue Sagrado), construída para ser a capela privativa de um conde no século XII. A basílica possui duas capelas: a inferior em estilo romano e a superior originalmente em estilo romano, mas transformada para gótico no século XV. É nesta última que se encontra a Relíquia do Sangue de Cristo, possivelmente trazida da Terra Santa durante as Cruzadas. A relíquia seria um pedaço do pano usado para limpar o corpo de Jesus e, dessa forma, teria seu sangue. É exibida para adoração às sextas-feiras.

Prefeitura - Bruges - Belgica
Prefeitura
Basilica do Santo Sangue - Bruges - Belgica
Praça Burg & Basílica do Santo Sangue (pequena construção com detalhes dourados à esquerda)
Basilica do Santo Sangue - Bruges - Belgica
Capela Inferior da Basílica do Santo Sangue
Basilica do Santo Sangue - Bruges - Belgica
Capela Superior da Basílica do Santo Sangue
Basilica do Santo Sangue - Bruges - Belgica
Capela Superior da Basílica do Santo Sangue com seus belos vitrais e pinturas

Pela Breidelstraat, cruze para a Grote Markt, a praça principal da cidade. É uma graça, com os prédios coloridos, o suntuoso Provinciaal Hof – usado para cerimônias -, inúmeros restaurantes com as mesinhas na própria praça e apetitosas chocolaterias. Nas primeiras horas do dia funciona uma feira a céu aberto e ao longo do dia é possível encontrar as famosas barraquinhas que vendem a batata frita mais gostosa que já provamos, provavelmente pelo fato de serem duplamente fritadas e usarem um tipo diferente da batata, a bintje.

Batata Frita - Bruges - Belgica
Batata Frita na praça principal
Grote Markt - Bruges - Belgica
Grote Markt
Grote Markt - Bruges - Belgica
Provinciaal Hof na Grote Markt

É também na praça que fica a Belfort de Bruges, símbolo da cidade: uma enorme torre medieval de 83 metros de altura construída no século XIII com mais de 350 degraus onde se tem uma bela vista da cidade. Desde o século XVII conta com um carrilhão unindo seus atuais 47 sinos.

Grote Markt - Bruges - Belgica
Grote Markt e a Belfort

Continue pela Vlamingstraat, passando pelo Stadsschouwburg (uma espécie de Teatro Municipal) e pelo Frietmuseum (Museu de Batata Frita – simples, mas para quem gosta pode ser interessante!). Em seguida, vire na Academiestraat e contemple mais um belo canal e praça da cidade. Ali pertinho fica outro museu peculiar da cidade, o Choco-Story, sobre o chocolate!

Teatro - Bruges - Belgica
Stadsschouwburg
Museu da Batata Frita - Bruges - Belgica
Museu da Batata Frita
Bruges - Belgica
Praça em Bruges
Bruges - Belgica
Um dos canais de Bruges

Os próximos pontos implicam em um deslocamento adicional de 2km (ida e volta). Se o tempo estiver curto, considere pular essa parte! Retorne pela Academiestraat em direção à Ezelstraat para chegar ao Ezelpoort – uma fortificação de 1297, reconstruída em 1369 e com modificações ao longo dos séculos, que serviu para controle de entrada e saída da cidade velha. No trajeto duas igrejas chamam a atenção: a Igreja de São Jacó, do século XIV, e a Igreja Ortodoxa Grega de São Constantino e Santa Helena.

Igreja de Sao Jaco - Bruges - Belgica
Igreja de São Jacó
Igreja Ortodoxa - Bruges - Belgica
Igreja Ortodoxa Grega
Ezelpoort - Bruges - Belgica
Ezeelpoort

Volte em direção ao Sint-Janshuismolen, um típico moinho de 1770 que ainda funciona em seu local original. No caminho mais uma imponente igreja do século XIII em estilo gótico – São Giles. Caso não tenha ido até o Ezelpoort, basta seguir reto pela Spinolarei.

Igreja Sao Giles - Bruges - Bruxelas
Igreja de São Giles
Bruges - Bruxelas
Pela cidade de Bruges
Moinho Sao Janshuis - Bruges - Bruxelas
Sint-Janshuismolen

Para voltar à Grote Markt, caminhe pela Carmersstraat, passando pelo Convento Inglês, de 1609, pela Jeruzalemkerk (Igreja de Jerusalém), de 1428, baseada na Igreja do Santo Sepulcro, e a Sint-Annakerk (Igreja de Santa Ana), do século XVII.

Convento Ingles - Bruges - Belgica
Convento Inglês
Igreja de Jerusalem - Bruges - Belgica
Igreja de Jerusalém
Igreja de Santa Ana - Bruges - Belgica
Igreja de Santa Ana

passeio de barco pelos canais de Bruges é um passeio que agrada muitos visitantes. Optamos por não fazer. Dessa forma, terminamos o dia na Grote Markt, com uma cerveja típica belga servida de forma peculiar e uma gostosa refeição, contemplando o cartão postal da cidade. Uma alternativa é ir a Huisbrouwerij De Halve Maan, uma cervejaria familiar com bar e museu, local muito famoso na Walplein, próximo ao Begijnhof.

Restaurante - Bruges - Belgica
Restaurante - Bruges - Belgica
Nossa “vista”

No dia seguinte, seguimos para Amsterdam bem cedo.

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!

Silvia Carvalho

Carioca, casada, 32 anos, médica, sempre com uma máquina fotográfica na bolsa, apaixonada por viajar e degustar as comidas típicas locais.

24 Resultados

  1. Marisa Willenshofer disse:

    Sensacional suas viagens.Estou planejando ir para Bruxelas dia 3 de julho e visitar Antuérpia,Bruges,Saint Niklaas,Gant , Louven e Dinant,voltando para o Brasil dia 11,será suficiente?Devo cediar em Bruxelas ou Bruges?Agradeço desde já sua atenção ,Marisa.

    • Bom dia Marisa.
      As cidades do interior são bem compactas e o deslocamento curto então o tempo será suficiente para conhece-las sem ser muito cansativo.

      Se for fazer os percursos de trem e não carro sugerimos sediar em Bruxelas ou Gent por serem hubs maiores evitando trocas e conexões e, assim, otimizando seu tempo.

      Desde já desejamos uma ótima viagem, agradecemos pelo contato e nos colocamos à disposição para qualquer dúvida.

  2. Luisa Coelho disse:

    Ah Bruges!! Essa cidade é muito muito especial.. Estive agora em maio e fiquei apaixonada. Eu dormi uma noite lá e foi a melhor coisa que fiz! Eu fui de Amsterdam antes, ao contrário de vocês!

  3. Sthefania disse:

    Você achou que 1 dia foi suficiente ou ficou com vontade de ficar mais? Quanto tempo dá de Bruxelas até lá? Me pareceu uma cidadezinha imperdível!

  4. Alice disse:

    Oi,
    Ja fomos para Bruxelas e Bruges + Amsterdam saindo de PAris. Uma viagem linda e imperdível na Europa.
    Voces escolheram ir de trem, de ônibus ou de carro ?

  5. Erik Trovão disse:

    Bruges é um sonho antigo. Infelizmente não deu para ir qd visitei Bruxelas, mas pretendo visitar com calma como vcs fizeram e também dormir na cidade. Seu roteiro está muito bem detalhado e fácil de se orientar! Parabéns!

  6. Mariliza Domingos disse:

    Ahh Bruges, gosteii das dicas!! O Paulinho ama cidades estilo medievais, sere fala de conhecer Bruges, vendo o post gostei mais ainda, adorei a Grote Markt, praça colorida e charmosa, fiquei com vontade de experimentar a batata tb rs.. humm… E com certeza passaremos na ponte do amor, que graça. Quanto dias você recomendaria?

  7. Leandra disse:

    Definitivamente este é um roteiro inesquecível. Sempre ouvi falar em Bruges e sou louca para conhecer. Gostei demais do roteiro detalhado, as dicas são muito boas. Qual o custo médio para passar 1 noite e 1 dia inteiro em Bruges considerando hospedagem, alimentação e transporte?

    • Muito obrigado Leandra. Você vai amar a cidade!
      Custo é sempre difícil de avaliar, porque depende muito de decisões individuais, como categoria de hotel e de restaurante.
      No entanto, em um padrão de viagem habitual (nem econômico nem luxo), o custo para um casal será em torno de 200 euros/dia, considerando todos os gastos.

  8. Sil Mendes disse:

    Não conheço ainda Bruges, mas está na minha listinha e pretendo fazer junto com Bruxelas. Vc acha que devo deixar quantos dias para conhecer bem a cidade?

  9. Livia disse:

    Bruges parece ser linda.. tão linda que fiquei me perguntando se só um dia é mesmo suficiente. Você sentiu falta de mais tempo para curtir mais a cidade, ou achou que um dia foi bom?

  10. flavia zenke disse:

    Que cidadezinha charmosa, vale a pena ate dormir nela so paramentar o clima medieval a noite, ne? Amei o lago do amor e a praca principal que parece ser bem animada. Em abril fizemos uma viajem pela Espanha e passamos por varias vilarejos tampem. Ja favoritei o seu post para quando formos para la. Obrigada por compartilhar!

  11. Rayane Azevedo disse:

    Que cidade mais charmosinha!!! Parece um conto de fadas…
    Você acha que vale a pena separar dois dias da viagem para conhecer Bruges e Gante?

  12. Juliana Vandesteen disse:

    Ola!! Ia retirar Bruges do meu roteiro mas lendo seu post, rapidamente reinclui rsrs
    Vou fazer um bate e volta partindo de Bruxelas e tenho algumas dúvidas.
    1) Ao comprar a passagem de trem, eu compro com hora marcada para retorno? ou posso ficar mais ” à vontade” em relação ao horário?
    2) Que horas devo chegar em Bruges?
    3)Este percurso, vcs fizeram em aproximadamente quanto tempo?
    4) Existe um museu do chocolate em Bruxelas tb, qual vc recomendaria?
    5) E, finalmente, qual o nome desta cervejaria q vcs foram na Grote Markt??
    Ufa!! Acho q eram”só ” essas perguntas!!
    Parabens pelo seu post! fiquei encantada!
    bjs
    Juliana

    • Olá Juliana, ficamos felizes que tenha gostado e, principalmente, que o post tenha despertado o interesse. Temos a certeza de que não irá se arrepender.
      Vamos lá:
      1) Existem inúmeros trens diários que fazem o trajeto, então, salvo se for um dia muito específico do ano, ficaria bem à vontade na hora do retorno.
      2) Como vai fazer um bate e volta, recomendamos chegar cedo para aproveitar ao máximo esse dia. Cada viajante tem a sua rotina, mas se puder chegar em torno de 9-10h na cidade, com certeza permitirá um bom aproveitamento.
      3) Demoramos, incluindo os museus e a parada para o chopp aproximadamente 8h.
      4) Como irá fazer um bate e volta, deixaria para fazer o museu em Bruxelas.
      5) Vou ficar te devendo o nome porque simplesmente sentamos, mas foi um dos cafés/bares exatamente no lado oposto da torre.

      Qualquer dúvida seguimos à disposição e desejamos, desde já, uma ótima viagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Alerta: Conteúdo Protegido!