Um dia na mágica e inesquecível Ilha de Skye

Conforme explicado no post sobre as Highlands, destinamos um dos dias no interior desse belo país para conhecer a mágica e inesquecível Ilha de Skye. Essa pequena ilha no norte da Escócia possui uma população de aproximadamente 10 mil habitantes e é considerada a maior ilha da região noroeste escocesa, sendo Portree a principal cidade. A paisagem é repleta de florestas, mar, penhascos, cachoeiras, lagos e montanhas , tudo em perfeita harmonia.

Qual a melhor época para visitar a Ilha de Skye?
A Ilha não apresenta temperatura elevada em nenhuma estação, sendo a média do inverno entre 3ºC e 6,5ºC e do verão entre 10ºC e 15ºC. As chuvas são comuns durante o ano todo, mas mais frequentes no inverno e menos volumosas na primavera. Portanto, considere ir entre maio e julho, quando as temperaturas são discretamente mais amenas, os dias mais longos e as chuvas menos intensas. Fomos em março de 2015 e pegamos as quatro estações no mesmo dia!

Quanto tempo ficar na Ilha de Skye?
O local possui paisagens deslumbrantes e ainda intocadas, embora com boa infraestrutura. O tempo mínimo que recomendamos é de um dia inteiro, mas o ideal é de dois dias para curtir com mais calma toda a extensão da ilha e estar menos sujeito às condições climáticas. Mas é possível fazer um bate e volta a partir de Inverness.

Como chegar na Ilha de Skye?
Existem três opções:

  • Carro (alugue aqui): nossa opção preferida por garantir grande flexibilidade para explorar não apenas os destinos principais, mas também o próprio caminho que é deslumbrante! A única dificuldade é a mão inglesa, sobretudo no início, mas nada que impossibilite. Alugamos o carro no aeroporto de Edimburgo para fazer a viagem por toda a Grã-Bretanha.
    • De Glasglow: 350 km de distância até Portree pela A82/A87.
    • De Inverness: 180 km de distância até Portree pela A87.
    • De Edimburgo: 380 km de distância até Portree pela A9/A87.
  • Excursão: existem agências locais nas cidades das Highlands, sobretudo Inverness, que fazem passeios no estilo bate e volta para a ilha. Uma alternativa é chegar de transporte público, como descrevemos abaixo, e contratar os passeios diretamente na ilha!
  • Transporte público: duas alternativas possíveis, mas como as distâncias são grandes entre os pontos, não recomendamos!
    • Trem até Mallaig, seguido de balsa para Ilha de Skye e deslocamento de ônibus na ilha.
    • Trem até Kyle, seguido do deslocamento de ônibus para a ilha.

Onde se hospedar na Iha de Skye?
Existem algumas opções de hospedagem na ilha (veja todas aqui). Nossa opção foi o Cuillin Hills Hotel, localizado na pitoresca cidade de Portree e com uma vista cinematográfica para o lago e oceano! O quarto, atendimento e restaurante foram fabulosos. Em nossa opinião, ficar nessa região é uma boa alternativa pela proximidade a serviços essenciais e atrações na ilha.

Hotel - Ilha de Skye - Escocia Vista da área externa do hotel, com a colorida Portree do outro lado

Hotel - Ilha de Skye - EscociaVista da janela do nosso quarto

Outras sugestões em Portree são Skeabost House Hotel, Eubhal House, Bosville Hotel e Marmalade. Na cidade de Dunvegan, no norte, temos Kinloch Follart e The Tables Guest House.

O Roteiro
Como explicamos no post sobre as Highlands (veja aqui), havíamos planejado a chegada em Portree no início da noite. No entanto, algumas placas na estrada indicavam que a ponte que comunica o “continente” à ilha estava fechada pelas péssimas condições climáticas (ventava muito). Para complicar, naquele período os serviços de balsa saím apenas 2 vezes ao dia de Mallaig, cidade que fica a mais de 2 horas da ponte.

A despeito das indicações de que a ponte estaria fechada, e com receio de ficarmos impedidos de cruzar para a ilha, optamos por adiantar a ida. Para nossa felicidade e alívio, a ponte estava aberta. Cruzamos com cautela a estreita e curta ponte sob forte vento (e chuva). Continuamos pela estrada principal (A87) até nosso hotel. Como chovia, resolvemos jantar no próprio hotel (e amamos!). O atendimento foi espetacular!

Jantar - Ilha de Skye - Escocia

Acordamos cedo e pegamos a A855 em direção ao Old Man of Storr, um conjunto montanhoso com uma formação rochosa em forma de torre no topo e que pode ser vista de diferentes pontos da ilha. Nosso planejamento era fazer a trilha de 4 km (ida e volta, com duração estimada de 1h30) que garante uma bela vista. No entanto, como estava nublado, com o topo semi-encoberto, achamos que não valeria o esforço e o tempo.

Old Man of Storr - Ilha de Skye - EscociaFormação vista de longe com o formato de torre à direita

Old Man of Storr - Ilha de Skye - EscociaNa base da montanha, no início da trilha de subida

Alguns quilômetros à frente paramos em um mirante, acessível após uma curta trilha em meio a algumas ovelhas.

Ilha de Skye - EscociaTrilha fácil

Ilha de Skye - EscociaMirante

Ainda na A855 na direção norte, não deixe de conhecer o Kilt Rock, um enorme penhasco de mais de 60 metros de altura, com a base esculpida pelas águas do mar e por onde escorrem as águas de uma cristalina cachoeira – a Meat Waterfall. Estonteante! Apenas não conseguimos enxergar o kilt (a saia escocesa)!

Kilt Rock - Ilha de Skye - Escocia

Se programou dois dias pela ilha (ou tiver tempo sobrando), siga até a cidade de Duvegan, no noroeste da ilha, para visitar o Duvegan Castle, um castelo ainda habitado de mais de 800 anos, e o belo Farol de Glendale, no extremo noroeste. O mais fantástico na ilha é que para onde quer que se olhe o cenário é sempre deslumbrante e mágico! Por isso, reserve tempo para pequenas paradas, contemplando ou tirando algumas fotos.

Ilha de Skye - Escocia

Ilha de Skye - Escocia

Ilha de Skye - Escocia

Ilha de Skye - Escocia

Retorne pela A855 até Portree, continue pela A87 até Sligachan e vire à direita na A863 e siga as placas até o estacionamento para a trilha que leva às Fairy Pools. As piscinas naturais são cristalinas, com cores vivas em diversos tons de azul em meio a pequenas cascatas e, para finalizar, o pano de fundo é uma cadeia de montanhas nevadas (Black Cuillin). A trilha tem 2,4km de extensão (ida e volta, com duração estimada para o percurso de 40 minutos).

Fairy Pools - Ilha de Skye - EscociaVista do estacionamento

Fairy Pools - Ilha de Skye - EscociaTrilha

Fairy Pools - Ilha de Skye - EscociaCascatas

Fairy Pools - Ilha de Skye - EscociaCascatas com Black Cuillin

Fairy Pools - Ilha de Skye - EscociaAs cristalinas e azuladas piscinas

Fairy Pools - Ilha de Skye - EscociaPiscinas azuladas

Antes de deixar a ilha, pare mais algumas vezes, contemplando lagos, planícies e montanhas. A diversidade das paisagens é fabulosa e deixa um “gostinho de quero mais”!

Ilha de Skye - Escocia

Ilha de Skye - Escocia

Ilha de Skye - Escocia

Ilha de Skye - Escocia

Ilha de Skye - Escocia

Se tiver com tempo ou for ficar dois dias, recomendamos uma visita ao Clan Donald Centre, um centro de visitantes no sul da ilha, com museu, jardins e castelo. Outra boa indicação é a Spar Cave, uma caverna esculpida pela natureza ao longo dos séculos. Infelizmente não era o nosso caso. Retornamos à A87 e cruzamos a ponte – agora com tempo claro e aberto – e continuamos rumo a Stirling, nosso próximo destino nas Highlands (veja aqui).

Ponte - Ilha de Skye - EscociaPonte que leva à Ilha de Skye

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking ou aluguel de carros no RentalCars. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!


Precisa de orientação para montar um roteiro inesquecível pela Escócia (ou Reino Unido)? Quer ajuda em reservas de hotéis, aluguel de carros, passagens de avião, ônibus ou trem? Quer montar um roteiro 100% personalizado e tornar sua viagem inesquecível? Visite nossa página de Roteiros Personalizados ou deixe sua mensagem abaixo.

Gostou do post? Compartilhe!

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 30 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

Você pode gostar...

9 Resultados

  1. Fernanda D disse:

    Olá Thiago!! Em primeiro lugar, excelente os posts sobre a Escócia e com fotos belíssimas. Estamos indo para lá agora no final de maio e estou fazendo o roteiro e procurando cheguei aqui no seu blog. Bem, em segundo lugar, tenho algumas duvidas, hehe, se puder me ajudar.
    Bem, voces fizeram o trajeto todo de carro ne? e acharam tranquilo dirigir na mão contraria?
    Estava vendo pelo google maps o roteiro de voces e ja fui traçando para ver as rotas que ele mostrava comparando com a de voces. Fiz isso porque a ideia é comprar um chip e usar o google maps para nos guiar. Como voces fizeram?
    outra pergunta é sobre a ponte que dá acesso à ilha. Voce comenta que haviam avisos que a ponte estava fechada.. mas e dai, como que faz???? usa a tal balsa que voce mencionou? mas onde que pega???
    ain, zilhoes de perguntas rsrs desculpe.
    De qq forma, agradeço mto por disponibilizar tamanho conteúdo. Parabens!

    • Olá Fernanda.
      Antes de tudo obrigado por sua mensagem e ficamos felizes que tenha gostado do roteiro e das fotos.

      Temos certeza que irá amar a Escócia e passar na Ilha de Skye é imperdível!

      Respondendo às suas perguntas, fizemos tudo de carro, somando alguns milhares de quilômetros, pois já havíamos feito a Irlanda e, depois da Escócia, passamos por Inglaterra e País de Gales. Foi tranquilo dirigir na mão inglesa. Os primeiros quilômetros exigem atenção a alguns detalhes como faixa mais rápida na rodovia, sentido da rotatória e saída de cruzamento em ruas de mão dupla mas nada que em pouco tempo você não esteja tirando de letra. Na Irlanda o carro era manual então foi um detalhe a mais, mas na Grã-Bretanha era automático então facilita um pouco.

      Não usamos internet para a direção. Havíamos anotado alguns pontos de referência, usamos as bem sinalizadas placas das rodovias e um programa de gps offline para Android que funcionou perfeitamente. Bastava acrescentar as paradas que garantissem que a rota seguiria como queríamos. Checava no hotel antes de sair se estava certinho e pegava a estrada.

      Com relação à ponte, embora estivesse com a sinalização, quando chegamos nela, estava aberta e conseguimos, aliviados, passar! Se for de balsa, é via Mallaig, uma outra cidade bem distante da ponte, então tem que decidir antes de chegar. A questão é que pode fechar ambos pelas condições climáticas. No entanto, indo no outono é bem mais improvável que isso ocorra.

      Qualquer outra dúvida é só avisar que estamos prontos para ajudá-la.

  2. Fernanda D disse:

    Olá Thiago. Só agora vi sua resposta, muito obrigada! 🙂
    Todo mundo fala isso mesmo ne? que no inicio é estranho dirigir na mao inglesa, parece que vai bater o tempo todo mas depois de um tempinho, se acostuma hehehe assim espero!!!
    Qual sistema de GPS offline que voces usaram? o que me preocupa é que nem sempre se tem wifi por la ne????
    Bem, mais uma vez, mto obrigada pelas respostas!

    • Olá Fernanda.
      Fique tranquila, vai tirar de letra!
      Usei o Sygic e funcionou super bem. Outra alternativa é colocar a rota no Google Maps e ativar a navegação offline (ele baixa os mapas daquela região). Acabei de usar na Noruega e foi perfeito! Qualquer dúvida é só falar.

      • Fernanda D disse:

        Obrigada mais uma vez!

        • Fernanda D disse:

          Oi Thiago! estou eu aqui te incomodando de novo hehehehe Continuo traçando o roteiro e pesquisando os lugares e me surgiu algo que nao tinha pensado antes: postos de combustivel… tenho visto videos e sinceramente nao reparei nisso. Nós pegaremos o carro em Inverness, depois Skye, Fort William, Stirling e Edimburgo. teremos 5 dias para isso.. faremos varias paradas nesse meio do caminho hehehe so coloquei as bases mesmo.
          Mas, enfim, é tranquilo para achar postos e tambem para abastecer?
          Grata mais uma vez.

          • Ola Fernanda. Não é incômodo algum. Os postos são fáceis de serem encontrados, sobretudo nas cidades. O combustível de lá tem um rendimento muito maior do que o nosso e não há dificuldade no processo de abastecimento, apenas difere que não há frentista.
            Continuamos à disposição.

  3. Fernanda D disse:

    ufa, hehehehe, que bom!
    Obrigada!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Reprodução ou cópia não autorizada!