Bruxelas, uma parada obrigatória no trajeto França-Holanda

Conforme explicamos no post sobre a Bélgica, Bruxelas é sua capital, possui pouco mais de 1,1 milhão de habitantes e, embora os idiomas mais falados sejam o francês e flamengo, a comunicação em inglês não costuma ser um problema. A chuva é comum na região, portanto, não esqueça o guarda-chuva.

Quanto tempo ficar em Bruxelas?
A maior parte dos turistas brasileiros chega de trem para passar um a dois dias antes de seguir viagem para o destino seguinte, geralmente Bruges ou alguma cidade da França ou Holanda. Esse foi o meu caso nas duas ocasiões em que visitei a cidade. Na primeira, em 2003, cheguei cedo de Paris, desci do trem, conheci a cidade e segui rumo a Amsterdam no último trem (foi corrido e não recomendo!). Na segunda, em 2011, dormimos na cidade e, por isso, tivemos um dia inteiro para visitá-la. Diante dessas duas experiências, o tempo mínimo para conhecer Bruxelas é um dia inteiro, podendo ampliar para até dois dias se preferir um passeio com mais tranquilidade.

Como chegar ao centro de Bruxelas?
Caso chegue de avião, prefira o Brussels Zaventen Airport, que fica pertinho do centro (menos de 20 minutos!) e possui como alternativas de translado o táxi, ônibus, trem ou shuttle. Independentemente de sua escolha (sugerimos o trem!), siga para a Brussel Centraal.

Se chegar de trem, pode ser que o destino não seja a Brussel Centraal, mas todas são interligadas. Assim, basta comprar a passagem na própria estação (alguns passes de trem incluem esse transfer para a Estação Central de Bruxelas).

Onde se hospedar em Bruxelas?
O ideal é ficar no centro para que possa fazer absolutamente tudo a pé. Nos hospedamos no simples, mas ótimo Hotel Esperance. Outras sugestões são os bem conceituados Rocco Forte Hotel Amigo e The Dominican, o clássico Hilton Brussels Grand Place, os mais econômicos, mas excelentes 9Hotel Central e Motel One Brussels. Veja todas as opções aqui.

O Roteiro
Iniciamos o nosso roteiro, considerando a Estação Central de Bruxelas como ponto de partida – os principais hotéis ficam próximos ou será seu ponto de desembarque se for apenas passar o dia. Saia da estação em direção à Catedral dos Santos Michel e Gudule (a 300m), uma belíssima igreja católica que lembra a Notre Dame de Paris. Sua história se inicia no século IX como uma pequena capela dedicada a São Michel que foi expandida, no século XI, para devoção à mártir Santa Gudule, com muitas de suas relíquias acrescidas ao acervo da igreja. No século seguinte, a construção da catedral teve início, sendo concluída apenas 300 anos depois.

Catedral Saint Michel e Gudule - Bruxelas - Belgica

Catedral Saint Michel e Gudule - Bruxelas - Belgica

Catedral Saint Michel e Gudule - Bruxelas - Belgica

Catedral Saint Michel e Gudule - Bruxelas - Belgica

Catedral Saint Michel e Gudule - Bruxelas - BelgicaPraça em frente à catedral

Optamos por acrescentar 3km (ida e volta) à nossa caminhada pela Rue Royale, para passarmos na Coluna do Congresso, um monumento em frente ao congresso belga construído para celebrar a criação da Constituição em 1830, no belo Jardim Botânico e na distante Igreja Real Santa Maria, de 1885. As construções são lindas, sobretudo a igreja, mas vale ponderar o tempo e cansaço para o deslocamento. Como essas atrações estão distribuídas ao longo desses 1,5km de cada trecho, não vale o transporte público na ida, mas a volta pode ser feita com o tramway, descendo na estação Parc.

Cologne du Congres - Bruxelas - BelgicaColuna do Congresso

Igreja Real Santa Maria - Bruxelas - BelgicaÉglise Royale Sainte-Marie

Jardim Botanico - Bruxelas - BelgicaJardim Botânico

Seja a pé, de tramway ou após a catedral, na própria Rue Royale, você chegará ao imenso e verde Parque de Bruxelas, criado no século XVIII. No extremo oposto está localizado o Palácio Real de Bruxelas, palácio oficial da monarquia belga. A residência oficial é Palácio Real de Laeken, nos arredores da capital. A construção sofreu inúmeras modificações desde seus primórdios, no final do século XI.

Parque de Bruxelas - Bruxelas - BelgicaParque de Bruxelas

Palacio Real - Bruxelas - BelgicaPalais Royal de Bruxelles

Na Place Royale, visite a Igreja Saint Jacques-sur-Coudenberg. Do final do século XVIII, tem estilo neoclássico. Não deixe de conferir as pinturas no interior! Do outro lado da praça estão o Museu Magritte, com obras do surrealista homônimo, e o Museu de Arte Moderna, dentro do complexo dos Museus Reais de Belas Artes, que engloba também o Museu Fim do Século e o Museu dos Mestres Antigos, com entrada na Rue de la Régence, alguns metros à frente.

Igreja Saint Jacques - Bruxelas - BelgicaÉglise Saint Jacques-sur-Coudenberg

Igreja Saint Jacques - Bruxelas - BelgicaÉglise Saint Jacques-sur-Coudenberg

Bruxelas - BelgicaPraça na transversal da Royale

 

Museu de Belas Artes - Bruxelas - BelgicaEntrada do Musée Fin-de-Siècle

Poucos passos adiante, você chegará na Igreja Notre-Dame du Sablon, em estilo gótico do final do século XV. Na calçada oposta, não deixe de entrar no Petit Sablon, uma pequena e agradável praça com estátuas de mais de 40 profissões. Contornando a igreja, encontramos o Grand Sablon, uma praça que, atualmente, reúne as principais e mais sofisticadas lojas de chocolate belgas, como Godiva e Neuhaus.

Petit Sablon - Bruxelas - BelgicaPetit Sablon

Igreja Nossa Senhora Sablon - Bruxelas - BelgicaÉglise Notre-Dame du Sablon

Igreja Nossa Senhora Sablon - Bruxelas - BelgicaÉglise Notre-Dame du Sablon

Igreja Nossa Senhora Sablon - Bruxelas - BelgicaÉglise Notre-Dame du SablonGrand Sablon - Bruxelas - BelgicaGrand Sablon

Após deliciar-se em uma (ou várias!) lojas, retorne à Rue de la Régence e continue até o Palácio de Justiça. Construído no século XIX e tido como uma das maiores construções desse século, é onde funciona a principal corte belga e, talvez, um dos maiores tribunais do mundo! Não deixe de contemplar, na praça a sua direita, o Monumento à Infantaria Belga (com menção às duas grandes guerras!). A vista da cidade também pode ser admirada!

Palacio de Justica - Bruxelas - BelgicaPalais de Justice

Bruxelas - BelgicaVista da cidade – Basílica à esquerda

Monumento Mortos Guerras - Bruxelas - BelgicaMonumento à Infantaria Belga

Retorne em direção à Igreja Notre-Dame de la Chapelle, fundada no século XII (sua estrutura atual data do século XIII). No percurso, que tal uma parada para a panqueca belga, mais conhecida como waffle?

Waffle - Bruxelas - BelgicaWaffle no caminho

Igreja Notre-Dame de la Chapelle - Bruxelas - BelgicaÉglise Notre-Dame de la Chapelle

Igreja Notre-Dame de la Chapelle - Bruxelas - BelgicaÉglise Notre-Dame de la Chapelle

Menos de 500 metros adiante, na Booulevard de L’Empereur, você chegará ao Mont des Arts, com um belíssimo jardim.

Jardim Mont des Arts - Bruxelas - Belgica

Você estará de volta à Estação Central de Bruxelas. Se for ficar mais de um dia ou estiver com tempo sobrando – pelo menos 2h -, sugerimos entrar na estação, pegar o trem (15 minutos) e saltar na estação Simonis para conhecer a suntuosa Basílica Nacional do Sagrado Coração (ou Koekelberg), construída durante o século XX e uma das mais imponentes igrejas da Bélgica, e o maravilhoso Parque Elisabeth. O caminho de volta é o mesmo.

Basilica Sagrado Coracao - Bruxelas - BelgicaBasilique Nationale du Sacré-Cœur

Basilica Sagrado Coracao - Bruxelas - BelgicaBasilique Nationale du Sacré-Cœur

Basilica Sagrado Coracao - Bruxelas - BelgicaBasilique Nationale du Sacré-Cœur

Basilica Sagrado Coracao - Bruxelas - BelgicaBasilique Nationale du Sacré-Cœur

Parque Elisabeth - Bruxelas - BelgicaParc Elisabeth

Parque Elisabeth - Bruxelas - BelgicaParc Elisabeth

Parque Elisabeth - Bruxelas - BelgicaParc Elisabeth

A partir da Estação Central de Bruxelas, vá para a Grand Place, principal praça belga. Tombada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, os prédios que cercam a praça são belíssimos, com detalhes em dourado. O destaque fica para a Prefeitura e a Maison du Roi, onde atualmente funciona o Museu da Cidade de Bruxelas.

Grand Place - Bruxelas - BelgicaPrefeitura

Grand Place - Bruxelas - BelgicaMaison du Roi

Grand Place - Bruxelas - BelgicaGrand Place

Grand Place - Bruxelas - BelgicaGrand Place

Grand Place - Bruxelas - BelgicaGrand Place

Caminhe pela perpendicular Rue de l’Etuve para visitar a pequena (60cm), mas mundialmente famosa, estátua de bronze chamada Manneken-Pis – um menino que faz xixi na fonte. Foi concebida no século XVII, mas roubada inúmeras vezes. Existem várias histórias sobre sua origem, sendo as mais contadas a do lord de 2 anos que urinou em seus adversários durante uma batalha em que foi o vencedor e a de uma criança que urinou em um princípio de incêndio e salvou a cidade. Em épocas festivas ou visitas de chefes de estado, é costumeiro vestir a estátua de acordo com a ocasião.

Manneken Pis - Bruxelas - Belgica

Siga na Rue des Grands Carmes e dê uma rápida passada na simples, mas bela Igreja Notre-Dame de Bon Secours, antes de virar à direita na Rue du Midi para chegar à Igreja de Saint Nicolas, uma das primeiras de Bruxelas, construída no século XII. Observe os prédios a sua volta – belíssimos!

Igreja Notre Dame - Bruxelas - BelgicaÈglise Notre-Dame de Bon Secours

Igreja Sao Nicolau - Bruxelas - BelgicaÉglise de Saint Nicolas

Bruxelas - BelgicaCharmosos prédios

Logo atrás, está os fundos do belo palácio da Bolsa de Valores de Bruxelas, de 1873. Não deixe de contemplá-lo, antes de virar na Rue Jules de Van Praet, e chegar a Halles de Saint Géry, um mercado coberto do século XIX, atualmente destinado a exposições culturais.

Bolsa de Valores - Bruxelas - BelgicaPalais de la Bourse

Halles - Bruxelas - BelgicaHalles de Saint Géry

Caminhe para a Place Sainte-Catherine e chegue à igreja homônima, do século XIX.

Igreja Santa Catarina - Bruxelas - Belgica

Retorne pela Rue de l’Evêque, até a Place de La Monnaie, onde fica o Théâtre Royal de la Monnaie, do século XIX, que recebe os principais concertos de música clássica e ballet da cidade. No trajeto, abra o apetite com os belos pescados nos mercados.

Opera - Bruxelas - BelgicaLa Monnaie

Pescados - Bruxelas - BelgicaPescados

Siga até a entrada da luxuosa Galeria Real St. Hubert. Com pouco mais de 200 metros de extensão, foi inaugurada em 1847 com estilo renascentista para comunicar o mercado de vegetais ao de ervas, substituindo alguns becos que a burguesia da época não se atrevia a ingressar. Por décadas, permaneceu um centro literário frequentado por Alexandre Dumas e Victor Hugo. Atualmente abriga lojas, cafés e chocolaterias sofisticadas. É recorrente a história que o bombom surgiu em uma das farmácias da galeria, quando seu dono resolveu cobrir remédios com chocolate para torná-los mais “apetitosos”.

Galeria St. Hubert - Bruxelas - Belgica

Entre os pavilhões que formam a galeria, acesse a Rue de Bouchers, que anteriormente abrigava os açougueiros. Hoje é um das mais famosas ruas de pedestre, repleta de cafés e restaurantes. Um destaque na rua é o Delirium Café, com seus mais de 2400 rótulos de cervejas – belgas ou estrangeiras.

Rue de Bouchers - Bruxelas - Belgica

Após o chocolate e o waffle, não podíamos terminar sem uma cerveja belga. Entramos em um dos restaurantes da rua para uma típica cerveja trapista – Chimay – acompanhada de um prato famoso em algumas regiões da França e também na Bélgica, as moules-frites (ou mexilhões com batatas frias). Não teria como terminar melhor!

Rue de Bouchers - Bruxelas - BelgicaMoules-frites

Rue de Bouchers - Bruxelas - BelgicaApós o jantar

Uma atração que muitos fazem, mas optamos por não ir foi visitar o Atomium, construído em 1958 para a Feira Mundial de Bruxelas. Além de contemplar a construção futurística, pode-se entrar nas esferas que a compõe, visitar as exposições e ter uma bela vista de Bruxelas. Para chegar, pegue a linha 5 do metrô até a estação Beekkant e, em seguida, a linha 6 até Heysel.

Atomium - Bruxelas - BelgicaFonte: Pixabay

Após esse maravilhoso dia, seguimos na manhã seguinte para Bruges (veja aqui) de trem, partindo da Estação Central de Bruxelas. Como explicamos melhor no post de Bruges, é possível fazer um bate e volta!

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!.

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 32 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

20 Resultados

  1. Eu tenho muita vontade de conhecer Bruxelas, e fiquei com mais vontade depois de ler este relato!
    E adorei a história do surgimento do bombom…hehe.
    Beijos! Adorei!!!

  2. Que legal!!
    E quanta igreja linda!! belas arquiteturas..
    Um dia irei, pode apostar… e este post aguçou a vontade
    Abraço

  3. tikdeviagem disse:

    Sou louca para conhecer Bruxelas, desde quando fiz um roteiro para lá, viajei de novo lendo o post de vocês e as fotos só me deixaram com mais vontade!

  4. Dhebora disse:

    Interessante a história do bombom, mas me recuso a acreditar que algo tão bom foi pra disfarçar algo ruim! hahahahaha… adorei o post!

  5. Que riqueza de detalhes esse post e grandeza desse lugar.
    Parabéns pelo post, adoreii.
    Abraços

  6. Zelinda disse:

    Thiago, parabéns! Como sempre mandando muito bem nas dicas. Eu sou louca para conhecer a cidade e acho que um dia é sempre pouco. Fiz isso em Amsterdam e me arrependi.
    Adorei as dicas e as fotos
    Beijos

  7. Gabriela Dronsart Coimbra disse:

    Bruxelas vale sempre a pena visitar, assim como Ghent, Bruges, Antuérpia…
    Venho cá com frequência, pois embora Portuguesa, sou filha de Mãe e toda a família materna Belga.

  8. Juliana Vandesteen disse:

    ola Thiago!! adorei o post!! terei 2 dias em Bruxelas. Este roteiro do post, vc sugere para 1 ou 2 dias? pensei em ir na minieuropa pq estarei com 2 crianças. vcs foram? gostaram? da pra fazer tranquilamente o roteiro a pé?
    O trem qdo chega em Bruxelas, chega em que estação? bruxelas centraal mesmo? ou tenho que fazer uma conexão até lá?

    • Boa noite Juliana, ficamos felizes que tenha gostado do post.
      Esse roteiro completinho é viável em um dia e a pé se excluir a basílica ou se deslocar até ela com transporte público.
      No entanto, fica consideravelmente mais tranquilo e permite curtir mais a cidade se fizer em pelo menos um dia e meio.
      Não fomos na Mini Europa, mas com duas crianças pequenas talvez seja uma boa pedida para contrastar com os monumentos da cidade e distrai-las!
      O trem muitas vezes chega em outra estação e aí é só fazer a conexão. Depende da sua origem. De onde partem?
      Qualquer dúvida seguimos à disposição e desejamos uma ótima viagem desde já.

  9. Juliana vandesteen disse:

    Super obrigada!
    Partimos de Amsterdam e depois seguiremos para Paris

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Alerta: Conteúdo Protegido!