A não tão vermelha Moscou, mas ainda autenticamente russa

Conforme explicado no post sobre a Rússia, a capital e maior cidade é Moscou, com população próxima a 12 milhões de habitantes. O russo é o idioma oficial e a maioria da população não fala inglês ou não deseja falar. No entanto, não se desespere, é possível viajar sem dificuldades e sem guia e detalharemos as dicas de como fizemos.

Os indícios de ocupação da atual Moscou são do período Neolítico, mas os primeiros assentamentos ocorreram no século IX pelas tribos eslavas e a primeira menção ao nome é de 1147. Contudo, a cidade ganhou importância com a formação do Grande Ducado de Moscou em 1283, tornando-se capital russa com a unificação territorial por Ivan III, “o Grande“, no final do século XV. Foi nessa época que o Kremlin ganhou a apresentação atual, sob forte influência artística italiana, e a Catedral de São Basílico foi construída.

No entanto, durante o tsarismo, a cidade foi atacada e invadida diversas vezes e, a despeito das reconstruções, problemas como a Peste Negra e a fome exterminaram grande parte da população sucessivas vezes, com uma redução adicional após a construção e posterior mudança da capital para São Petersburgo em 1712. Esse declínio foi interrompido com a expansão e consolidação do Império Russo, levando a uma verdadeira modernização e reestruturação da cidade. Com isso, a população atingiu 1,8 milhão em 1915, às vésperas da Revolução Bolchevique, que trouxe de volta o status de capital a Moscou.

Durante o período comunista, a política ateísta foi responsável pelo fechamento de dezenas de igrejas, com a demolição de algumas delas, como a Catedral do Cristo Salvador. Paralelamente, houve um significativo investimento em mobilidade com a expansão do sistema metroferroviário, com a construção de belíssimas estações que exaltavam o sistema e poderiam servir de bunker em uma eventual guerra com os Estados Unidos.

Outro marco da época foi a construção dos arranha-céus em uma mistura de neogótico com barroco, conhecidos como as “Sete Irmãs de Stalin” – sete imensos prédios espalhados pela cidade, cada um com função distinta, mas todos com o objetivo de mostrar a modernidade soviética. Exemplares de arquitetura semelhante foram erguidos em Bucareste, Kiev, Praga, Varsóvia e Riga e são, de fato, inconfundíveis!

Desde o fim da União Soviética, Moscou se abriu para a sociedade ocidental, com a instalação de inúmeras lojas e estabelecimentos capitalistas. Mesmo assim, os traçados históricos do período medieval e socialista tornam a cidade um exemplo autenticamente russo.

Qual a melhor época para visitar Moscou?
É uma cidade com clima continental úmido, com temperatura média muito baixa no inverno (-6,5ºC), poucas horas de sol e grande chance de neve. Portanto, programe-se para ir entre maio e setembro, sobretudo junho a agosto, quando as temperaturas são mais amenas (entre 7ºC e 18ºC em maio e setembro e 12ºC e 25ºC entre junho e agosto) e os dias bem longos. Visitamos por quatro dias no início de agosto de 2017, quando desfrutamos de quatro belos, quentes e longos dias!

Quanto tempo ficar em Moscou?
A cidade possui diversas atrações, sobretudo igrejas que são verdadeiros museus e que demandam tempo para aproveitar com calma. Além disso, as distâncias não são curtas. Portanto, sugerimos pelo menos três dias inteiros para conhecer a cidade.

Como chegar em Moscou?
Existem duas opções principais para a chegada:

  • Avião: embora não existam voos diretos do Brasil para a Rússia, Moscou recebe voos das principais capitais europeias. A chegada costuma ocorrer pelos aeroportos Domodedovo (maioria), a 50 km do centro, ou Sheremetievo, a 30 km. A maneira mais prática e simples de chegar ao centro a partir dos aeroportos é pelo trem expresso (consulte o site oficial para compras antecipadas e mapa do local de embarque em cada aeroporto), seguido do deslocamento na cidade pelo metrô:
    • Domodedovo: viagem expressa de 40-50 minutos até a estação de metrô Paveletskaya (Павелецкая), a 4 km do Kremlin.
    • Sheremetievo: viagem expressa de 30-40 minutos até a estação Belorussky (Белорусский). Chegamos por esse aeroporto (vindo de Paris) e não tivemos qualquer dificuldade para encontrar o local de embarque, que estava muito bem sinalizado.
  • Trem: a melhor alternativa dependendo do local de origem, como São Petersburgo.

Como se deslocar em Moscou?
Como descrevemos no post da Rússia, a principal dica que tivemos (e aplicamos!) é não depender de outras pessoas para deslocamentos. Caso contrário, dois problemas podem surgir, sobretudo em Moscou: dificuldade de comunicação por não falarem (ou não desejarem falar!) inglês ou risco de ser enrolado/roubado/subornado em táxis, como lemos em vários relatos e ouvimos de dois amigos que haviam ido para a região – um deles pagou por duas vezes 100 euros!

Portanto, com a facilidade da internet e dos smartphones, programe os deslocamentos com antecedência (até mesmo o da sua chegada!), tenha um mapa do metrô offline no celular com os nomes das estações em cirílico e inglês (ou, se preferir, gaste uma tarde para aprender o alfabeto antes de embarcar!) e anote as direções que deve seguir (ex: linha X, direção Y, anda 3 estações até N, troca para linha W, direção Z e anda mais 2 estações até a V).

Ah, a boa notícia é que as bilheterias de todas as estações de metrô que entramos aceitam cartão e, portanto, é possível comprar o bilhete mesmo sem ter feito o câmbio absurdo do aeroporto, embora em países como a Rússia seja sempre interessante ter um “trocado” no bolso.

Vale lembrar que com o Uber, a situação é minimizada. Contudo, se caminhar um pouco mais e carregar mala na estação não for um problema na chegada/saída, fica a dica!

Como chegar ou ir para São Petersburgo?
A maior parte dos viajantes visita as duas cidades quando vai à Rússia, chegando por uma e saindo pela outra. A melhor e mais prática alternativa é, em nossa opinião, ir/vir de trem em um trajeto de aproximadamente 4 horas. A linha até São Petersburgo conta com trens expressos (Sapsan ou Сапсан) e confortáveis que chegam à estação Leningradsky (Ленинградский вокзал).

Recomendamos comprar os bilhetes com antecedência no site oficial da empresa. Existem diferentes classes (Premium, Business e Economy) e optamos pela Business, simplesmente por acreditar que o deslocamento seria mais tranquilo e seguro. De fato, foi super confortável e tinha uma refeição (nada de excepcional!) incluída, além de algumas gratuidades. Sinceramente não acreditamos que justifique a diferença no preço!

Trem Moscou - Sao Petersburgo - RussiaCafé da manhã no trem

É possível chegar sem dificuldades à estação de trem de metrô, utilizando as dicas que listamos acima. No entanto, é importante atentar para dois pontos:

  • As estações são muito seguras e contam com detectores de metal. Em algumas a verificação é por amostragem, mas em outras é para todos os transeuntes. Portanto, chegue 1 hora antes da partida para evitar surpresas!
  • No bilhete de trem está escrito Moskva Oktiabrskaya (Москва Октябрьская) que é parecido com o nome de uma estação de metrô do outro lado da cidade! Cuidado para não confundir. O certo é Leningradsky (Ленинградский вокзал).

Interior Estacao de Trem para Sao Petersburgo - Moscou - RussiaInterior da Estação de Trem

Como é a segurança e a polícia de Moscou?
A cidade é extremamente segura e um dos motivos é a revista de bolsas e mochilas não apenas nas estações de metrô e trem, mas em todas as atrações turísticas. Em todas as ocasiões foram educados e cordiais na abordagem. Portanto, tenha tranquilidade e esteja disposto a ser revistado. O ponto principal é compreender as regras de cada local e não transgredi-las de forma alguma, aceitando que os policiais não falam ou não desejam falar inglês. Sendo assim, pare e observe o funcionamento e o fluxo das pessoas em atrações como Kremlin e Praça Vermelha, caminhando e atravessando apenas nos locais permitidos.

Como e onde comer em Moscou?
Como descrevemos no post da Rússia, existem diversos pratos típicos deliciosos e diferentes. A maior barreira é compreender o que está escrito. No entanto, a maioria dos restaurantes conta com um cardápio em inglês e/ou com fotos dos pratos vendidos. Portanto, não há muita dificuldade para escolher!

Quanto ao pagamento, como a conta é apresentada em cirílico, é muito difícil conferir se os pratos estão corretamente listados. Não tivemos qualquer problema de soma nos diversos estabelecimentos que fomos – simples ou caros -, mas sempre somávamos o que pedíamos durante as escolhas de forma a já estimar o valor final da conta. Ao longo dos posts de Moscou vamos relatar nossas experiências gastronômicas.

Um ponto importante é que nem sempre a gorjeta é esperada ou obrigatória, mas existe o hábito de deixar aproximadamente 10% pelo serviço caso tenha sido bem atendido.

Qual espetáculo é imperdível em Moscou?
Embora o ballet seja de origem italiana com grande desenvolvimento na França, o Ballet Bolshoi é uma das maiores e mais reconhecidas companhias de dança do mundo. Portanto, caso tenha oportunidade, recomendamos não apenas conhecer o teatro homônimo, mas assistir uma apresentação da companhia ou uma ópera. Não se esqueça de conferir o cronograma no site oficial e comprar com antecedência. Infelizmente, existe uma pausa nas apresentações de meados de julho a meados de setembro e, portanto, não foi possível assistir ao espetáculo.

Onde se hospedar em Moscou?
Recomendamos um hotel próximo à região do Kremlin, onde estão as principais e mais bonitas atrações turísticas e, de preferência, próximo a uma estação de metrô para facilitar os deslocamentos. Além disso, existem muitos relatos de problemas de comunicação e intercorrências como cobrança indevida durante a hospedagem. Dessa forma, nossa sugestão é escolher um hotel de uma grande cadeia internacional para minimizar as chances de imprevistos! Ficamos hospedados no Courtyard by Marriott Moscow City Center, uma excelente e confortável opção. Não nos arrependemos!

Existem inúmeros hotéis na cidade (veja todos aqui). Outras alternativas na região próxima ao Kremlin, lembrando que nem todos são de grandes redes internacionais embora sejam bem conceituados, são os cinco estrelas The Ritz-Carlton, National Hotel, Four Seasons Hotel, Metropol e Ararat Park Hyatt, os quatro estrelas Vremena Goda Hotel, Assambleya Nikitskaya e Kadashevskaya Hotel, e os três estrelas Veliy Hotel MokhovayaHotel Maroseyka 2/15PEOPLE Red Square HotelHotel Nikolsky Red SquareHotel Kamergersky e Troyka Hotel Moscow.

O Roteiro
É possível conhecer os principais pontos turísticos de Moscou em três dias. Elaboramos então um roteiro que contempla essas atrações. Mas vale ressaltar que será necessário começar o dia bem cedo! Clique nas fotos ou links para a descrição completa do roteiro de cada dia.

Kremlin - Moscou - RussiaDia 1: Praça Vermelha, Kremlin, São Basílio, Jardins de Alexandre e GUM
Catedral de Cristo Salvador - Moscou - Russia Dia 2: Arbat, Catedral Cristo Salvador, Convento Novodevichy e Pq. Gorky
Dia 3: Mausoléu de Lenin, Arsenal e Joias da Coroa, Bunker 42 e Estações de Metrô

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking ou aluguel de carros no RentalCars. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!


Precisa de orientação para montar um roteiro inesquecível? Quer ajuda em reservas de hotéis, aluguel de carros, passagens de avião, ônibus ou trem? Quer montar um roteiro 100% personalizado e tornar sua viagem inesquecível? Visite nossa página de Roteiros Personalizados ou deixe sua mensagem abaixo.

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 31 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

20 Resultados

  1. Carla disse:

    Que post massaaaaa! Muito bem escrito e super detalhado! Tô amando conhecer Moscou por vocês. Deve ser realmente incrível assistir o Ballet Bolshoi. Muito interessante saber que você se sentiram seguros, principalmente no metro e ótima dica da questão do táxi. Tudo anotadinho! Estou ansiosa para saber das experiências gastronômicas. Parabéns!

  2. Luisa Galiza disse:

    Acho que deve ser uma viagem interessantíssima! Agora, realmente, ir no inverno está fora de cogitação, pq com o sol durando pouco e o frio que faz… Eu não aguento!

  3. Suzy Freitas disse:

    Não sei se teria coragem de viajar para a Rússia, por conta própria! As barreiras de linguagem e cultural me deixam bastante apreensivas. Mas foi muito bom ler esse post super informativo de como se virar sozinho em Moscou! Comecei até a cogitar uma viagem “desempacotada”! Aliás, nunca viajei em excursões, mas alguns destinos, realmente, me assustam. Posts como esses ajudam outros viajantes a entender que as coisas não são tão complicadas como imaginamos. Obrigada por compartilhar sua experiência com os leitores!

  4. Mari Zoghbi disse:

    Senhour! Eles não falam inglês!? Já estou aqui me imaginando estudando Russo para poder conhecer esse roteiro que está na minha lista!! Adorei o post está bem completo.

  5. Livia disse:

    Quando eu penso na Rússia já me vem logo o frioooo kkkkkk nunca pensei em ir, não sei porquê. Mas agora com essa história de Copa até me animei em conhecer mais… Adorei o post de vocês , bem detalhado e explicadinho!! Agora o duro é não falar inglês né, mas nada que uma boa mímica não resolva! =P

  6. Tiago disse:

    Um ótimo post, bem explicativo. Sempre considerei muito dificil de ir devido as dificuldades na língua, mas vc deu uma amenizada nesse temor rs

  7. Anna Claudia disse:

    Meu sonho assistir uma apresentação do Ballet Bolshoi. Quase fechei trip pra copa esse ano, mas os preços estavam mega inflacionados, evidentemente. Já que não sou fanática por futebol, na verdade nem gosto kkkk, preferi deixar a copa passar e depois curtir a Rússia com muito mais calma e economia. Todo mundo que conheço que já foi pra lá diz que adorou! Inclusive vai ser bem melhor, porque aí poderei optar ir no verão!

  8. Alexandre Nunes disse:

    Não sabem ou nao querem falar kkkk Tenho alguns amigos que ja foram e a maioria acha que nao querem mesmo kkkk. Lugar lindo que ainda não conheci, seu post ta bem bacana e só aumentou em mim a vontade de conhecer.

  9. Erik Trovão disse:

    Excelentes dicas! Adorei o resumo inicial sobre a história russa! Eu só tinha ideia da parte histórica a partir da Revolução Russa. Antes disso, só sabia que existiam os czares! rsrsrs! Pelo que vc descreveu, visitar Moscou parece tão simples como visitar outras cidades da Europa. E fazer os deslocamentos por conta própria é sempre a minha primeira opção. Quem bom que, em Moscou, é tranquilo ir e vir sem depender de terceiros!

  10. Aline Pires disse:

    Sou apaixonada por igrejas e me imagino me perdendo nelas.. Acho que iria chorar assistindo o Ballet. Acho a arquitetura de Moscou lindíssima e deve ser fascinante conhece-la. Adorei as dicas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Reprodução ou cópia não autorizada!