Nova York: Uma semana na Big Apple

Introduzindo Nova York…
Fundada no início do século XVII pelos holandeses, com o nome de Nova Amsterdam, Nova York (ou Nova Iorque) ganhou esse nome apenas algumas décadas mais tarde, sob domínio inglês, pelo Duque de York. Desde o final do século XVIII é a cidade mais populosa dos Estados Unidos, com quase 9 milhões de habitantes – a região metropolitana ultrapassa os 20 milhões. No final do século XIX e início do século XX, milhões de imigrantes europeus vieram em busca de uma vida melhor nos EUA e a principal porta de entrada foi justamente Nova York. Acrescido à gigantesca população, recebe quase 60 milhões de visitantes anualmente, o que, aliado aos inúmeros imigrantes de todo o mundo que falam centenas de diferentes línguas, lhe rendeu o título de “Capital do Mundo“.

Outro apelido curioso da cidade é Big Apple (Grande Maçã) e existem algumas explicações envolvendo corridas de cavalos – comuns na época cujo prêmio, chamado de maçã, era grande em Nova York – e divisões desproporcionais da distribuição de riqueza norte-americana – “recebia uma fatia grande da maçã”. Seja uma vertente ou outra, o termo foi citado no início do século XX, caiu em esquecimento e foi retomado na década de 1970 com campanhas públicas de incentivo ao turismo na “Big Apple”.

Curiosidades à parte, a cidade está localizada no norte da costa leste americana, no estado de New York e o fuso horário em relação à Brasília é de -2 horas, o que varia conforme nosso horário de verão e o norte-americano (-1 a -3 horas). O clima é temperado com as estações bem demarcadas: verão quente (média de 23ºC com máxima acima dos 30ºC) e inverno rigoroso (média de 1ºC, com risco de tempestades de neve que fecham a cidade). Dessa forma, a melhor época para visitar é na primavera quando os dias são mais longos e as temperaturas mais amenas. Eu já tinha visitado em duas oportunidades quando criança durante o verão e, em junho de 2015, fomos na primavera.

Quanto tempo ficar?
O tempo mínimo recomendado é de cinco dias inteiros, mas sugerimos uma semana!

Aeroportos: como ir e vir?
Existem três aeroportos principais: La Guardia (o mais próximo do centro), Newark e John F. Kennedy. A opção mais confortável e prática para chegar ao seu hotel, sobretudo se está em um pequeno grupo, é pegar um táxi, mas existem alternativas:

  • Shuttles (translado compartilhado em vans): vale principalmente para os que estiverem viajando sozinhos.
  • Long Island Rail Road ou LIRR: trem que liga o JFK à estação de Penn Station, no coração de Manhattan. Ao chegar na Penn, basta pegar o metrô ou táxi para seu destino em Manhattan.
  • PATH ou NJTransit: trem que liga o Newark a alguns pontos de Manhattan.

Manhattan: como se divide e como se deslocar?
A cidade de Nova York é dividida em 5 regiões administrativas (boroughs): Queens, Bronx, Brooklyn, Manhattan e Staten Island, e a maior parte dos turistas opta pela hospedagem na ilha de Manhattan, onde estão os principais pontos turísticos, incluindo a sede das Nações Unidas e o centro financeiro mais importante do mundo! A ilha é plana e a localização é fácil, sendo dividida em três grandes regiões:

  1. Downtown: na região sul até a 14th St.
  2. Midtown: na região central.
  3. Uptown: na região norte, acima do Central Park (110th St.)

Ao longo dessas regiões distribuem-se, em Downtown, algumas ruas de nomes convencionais seguidas de uma sequência na transversal bem intuitiva – numericamente progressiva, ou seja, rua 1, rua 2, rua 3 até 220 – em inglês 1st St. 2nd St. 3rd St, 4th St, 5th St e, assim, sucessivamente. A distância entre esses quarteirões é pequena e pode-se andar com tranquilidade 10 quadras. Já na perpendicular distribuem-se as avenidas, cujos nomes seguem a mesma lógica das ruas – quase todos na sequência primeira, segunda, terceira etc. Diferentemente das ruas, as quadras entre as avenidas são bem longas. A famosa quinta avenida é responsável por determinar o lado leste e oeste das ruas, ou seja, tudo à esquerda é oeste e à direita é leste. Tanto as ruas como as avenidas cortam a ilha quase que de ponta a ponta. Veja o mapa abaixo do Google, para exemplificar o que descrevemos!

O metrô de Manhattan é ótimo para percorrer grandes distâncias, economizando tempo e dinheiro (os táxis são caros e o trânsito é horrível!). Para distâncias menores, principalmente no sentido transversal ou diagonal, pode não atender tão bem! Veja aqui o mapa do metrô.

Onde ficar?
Com esse número de visitantes em Nova York, as opções são inúmeras (veja aqui) e os preços costumam ser caros, mesmo nas zonas não tão centrais ou em hotéis sem grande conforto. Assim como nos preços dos restaurantes (veja aqui), ao reservar não esqueça de verificar se os impostos estão inclusos (geralmente não!), pois acrescentam cerca de 15% ao preço informado. Recomendamos ficar em Midtown, na região entre a Times Square e o Central Park (entre a 46th e a 59th St. na transversal e entre a Park e a 9th Ave. na perpendicular), pois conseguirá fazer grande parte das atrações, espetáculos e restaurantes a pé.

Ficamos no quatro estrelas Blakely New York Hotel na 55th St entre a 6th e 7th Ave e adoramos! O hotel possui quartos e banheiros confortáveis e um excelente atendimento! O café da manhã era simples e repetitivo, mas estava incluso. A relação custo-benefício foi ótima!

Outras sugestões com custo-benefício bom nessa região:  The London NYC, Warwick New YorkThe Michelangelo Hotel, Courtyard by Marriott New York Manhattan/Central Park, CitizemMHilton Garden Inn Central Park SouthWesthouse Hotel New York e Chambers Hotel. Por fim, para os que desejam alto luxo, recomendamos o Ritz-Carlton e o eterno Plaza, ambos de frente para o Central Park.

Caso esteja fora do orçamento, busque sempre um hotel próximo ao metrô, sendo o Brooklyn uma alternativa.

Como economizar em atrações?
Existem inúmeras atrações e museus em Nova York e a maior parte delas é paga (e não é barata!). Pensando nisso, para os que pretendem ir em várias, existem três principais opções:

  1. CityPass C6 (mais usado!): inclui 6 atrações que podem ser visitadas em até 9 dias a contar da primeira visita. O desconto chega a quase 40% e, em algumas, permite economizar parte da fila. Você pode comprar antecipadamente ou diretamente na atração. Em 2016 estão inclusos três “fixas” – Empire State, Museu de História Natural, Museu de Arte Metropolitano (MET) – e três “flexíveis”:
    1. Top of The Rock OU Guggenheim
    2. Estátua da Liberdade e Ilha Ellis OU Cruzeiro
    3. Memorial e Museu 11 de Setembro OU Museu do Ar, Mar e Espaço.
  2. CityPass C3: mesma concepção do anterior, mas são três atrações dentre todas as acima.
  3. NewYork Pass: mais caro que os anteriores, pois oferece entrada a dezenas de atrações. Também com o benefício da entrada facilitada em algumas atrações e não há limite diário durante o período contratado do passe (1, 2, 3, 5, 7 ou 10 dias). Vale principalmente se planeja visitar muito mais que as 6 atrações do C6.

Onde comer?
Fizemos um post apenas com nossas dicas e experiências. Veja aqui!

Onde comprar?
Fizemos um post apenas com nossos roteiros, dicas e percepções. Veja aqui!

Vale ir à Washington?
Passamos um dia na cidade e contamos nossa experiência aqui!

Como escolher e como comprar os espetáculos?
Ir a um dos musicais da Broadway (ou Off-Broadway) faz parte da visita e é imperdível. A produção e qualidade são sensacionais. O preço varia muito em função da demanda, da antecedência, do assento e do tempo desde o lançamento do espetáculo. Não há como indicar um ou outro, porque são muitos. Veja a lista de todos aqui (em inglês) com trailer, descrição e fotos.

Se você faz questão de ir em algum específico, sugerimos comprar antecipadamente, pois existe o risco, principalmente nos mais concorridos, de estar esgotado ou ter apenas assentos muito ruins. Se preferir economizar e não se importar com o dia, assento ou espetáculo, pode tentar comprar diretamente no teatro de exibição ou em um dos stands da TKTS que vendem com descontos de até 50% para as peças no mesmo dia. Chegue cedo e considere enfrentar fila! O mais cheio é o da Times Square, e as alternativas são o do Lincoln Center, South Street Seaport e Downtown Brooklyn.

Nessa última visita fomos no divertido Wicked e no clássico Les Misérables. Tínhamos ido em Londres, dois meses antes, no Fantasma da Ópera. Todos foram muito bons! Em Nova York, compramos antecipadamente pela internet – nossa dica para minimizar comissões dos sites de venda é verificar diretamente no site do espetáculo, ou seja, veja em qual teatro está em exibição e entre diretamente em sua página. Para espetáculos mais antigos, como Les Miserables, vale uma passada no TelechargeOffers para ingressos com descontos – usamos e funcionou sem problemas!

Assistir a uma apresentação de jazz
Para os amantes do jazz, estilo de música norte-americano com origem no século XIX em New Orleans, ir a uma das casas tradicionais de Nova York ou a um espetáculo é um ótimo programa. Algumas são mais concorridas e sugerimos comprar os ingressos com antecedência. Nossas sugestões são: Blue Note, Lincoln Center, Village Vanguard e The Iridium.

Qual foi o nosso roteiro?
Clique nos links para o post correspondente.

Como mencionamos, em cada um dos dias, o roteiro foi adaptado para maximizar os deslocamentos e aproveitar as atrações de acordo com as condições meteorológicas e horário dos musicais programados. Por exemplo, fomos nos museus no dia que choveu e retornamos ao Financial District para não perder um dia lindo em filas no Museu 911 e  Observatório.

Gostou do roteiro e das dicas? Faça suas reservas pelas caixas de pesquisa na lateral, nos links ao longo do post ou clique para reservas de hospedagem no Booking ou aluguel de carros no RentalCars. Você não paga nada a mais por isso e nos ajuda a manter o site. Obrigado!


Precisa de orientação para montar um roteiro inesquecível para Nova York? Quer ajuda em reservas de hotéis, passagens de avião ou trem? Quer montar um roteiro 100% personalizado e tornar sua viagem inesquecível? Visite nossa página de Roteiros Personalizados ou deixe sua mensagem abaixo.

Gostou do post? Compartilhe!

Thiago Carvalho

Carioca, casado, 30 anos, médico, amante da natureza e apaixonado por viagem, de Itaipava no fim de semana ao Bungee Jumping na Nova Zelândia. Volta de uma viagem com o roteiro pronto para a próxima.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Ameei todas as dicas!! Vou em setembro e já coloquei nos favoritos para seguir tudo direitinho quando for fazer o roteiro!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Reprodução ou cópia não autorizada!